“Ação social”com dinheiro público: R$ 20 mi da Lei Rouanet para Huck

0

Por Fernando Brito, do Tijolaço – Os nossos neoliberais gostam de um “projeto social” para seu automarketing, mas detestam por a mão no bolso.

Adoram por a mão no bolso do Estado, isso sim.

O Instituto Criar, pertencente a Luciano Huck, obteve, pela Lei Rouanet, R$ 19,5 milhões de doações convertidas em abatimento no imposto a pagar de grandes empresas – como o Itaú, a Microsoft, Casas Bahia, Ponto Frio, Volkswagen e outras -, um valor que deve chegar a R$ 21 milhões das captações em curso, este ano.

De novo, não é uma acusação de ilegalidade, pois não tenho como verificar o que se faz com o dinheiro, mas é justo que, sendo Luciano candidato e mostrando seu “projeto social”, as pessoas saibam que o “ajudar as pessoas” do bom moço é feito com dinheiro público, não com o privado.

Como o jatinho que própria assessoria do apresentador diz que serve para trazê-lo ao Rio de Janeiro, duas vezes por semana, para gravar na Globo, comprado com crédito subsidiado do BNDES.

Como, segundo diz o projeto, seriam 150 jovens atendidos, o custo, em impostos, per capita, é de R$ 23.300, enquanto o custo dos alunos de escolas públicas, garantido pelo MEC, era de R$ 2.875,03 em 2017.

Será que veremos os meninos do MBL gritando contra a Lei Rouanet do Huck, como fazem com a de exposições, peças de teatro e filmes?

Será que os nossos grandes jornais vão se interessar por isso como se interessariam se o “projeto social” fosse de um candidato de esquerda?

Aí está, de imagem sem edição, o resultado que se pode encontrar no site no Ministério da Cultura.

E é só desta, porque vai demorar a verificar todas as empresas da família Huck, diretamente ou através de propriedade cruzada, quando cada empresa é feita para controlar outras sem que se possa reconhecer diretamente o real proprietário.

Aguarda-se a manifestação de Kim Kataguiri contra

Huck.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.