ESTADÃO: Eduardo Cunha ameaça todos, se cair leva Temer e mais 150 deputados

34

O deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está na linha de tiro da procuradoria-geral da República e do Supremo Tribunal Federal, mandou um recado ao interino Michel Temer: se cair, sairá atirando; Cunha disse ainda que leva com ele 150 deputados, um senador e um dos ministros mais próximos a Temer; na semana passada, Cunha temia ser preso; sua esposa Cláudia Cruz se tornou ré, em Curitiba, ao alcance do juiz Sergio Moro, e uma nova denúncia contra ele foi oferecida; em editoriais publicados neste fim de semana, Globo e Estado de S. Paulo cobraram de Temer que não faça nenhum gesto para salvar seu principal aliado

O deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está na linha de tiro da procuradoria-geral da República e do Supremo Tribunal Federal, mandou um recado ao interino Michel Temer: se cair, sairá atirando e poderá levar com ele cerca de 150 deputados, além de um ministro e um senador.

A informação foi publicada na coluna de Andreza Matais e Marcello de Moraes, no Estado:




Cunha diz a interlocutores que, se cair, será atirando

Eduardo Cunha mandou avisar a Michel Temer que, se não for salvo, leva com ele para o fundo do poço 150 deputados federais, um senador e um ministro próximo ao interino.

Quem recomenda a Eduardo Cunha que renuncie à presidência da Câmara ouve um palavrão e a explicação de que, se o fizer, será preso.

Na semana passada, Cunha temia ser preso. Sua esposa Cláudia Cruz se tornou ré, em Curitiba, ao alcance do juiz Sergio Moro, e uma nova denúncia contra ele foi oferecida.

Fonte: estadão/br247

Créditos: estadão/br247



você pode gostar também Mais do autor

34 Comentários

  1. this link Diz

    Nearly all of whatever you claim is astonishingly appropriate and that makes me wonder why I hadn’t looked at this in this light previously. This particular piece truly did turn the light on for me personally as far as this particular subject goes. Nevertheless at this time there is 1 position I am not really too comfy with so while I make an effort to reconcile that with the main theme of the point, permit me observe exactly what the rest of the visitors have to point out.Very well done.

  2. Elza Walkley Diz

    I have been surfing on-line greater than three hours today, yet I never found any attention-grabbing article like yours. It is lovely price enough for me. In my view, if all website owners and bloggers made good content as you did, the net might be a lot more helpful than ever before.

  3. MAGDA Diz

    FALA CUNHA, LARGA O VERBO! DETONA!!

  4. ELIDIO RAMOS FILHO Diz

    Custa muito botar DATA na notícia ? – Ótima pergunta, eu também gostaria de saber, pois fica difícil saber o que realmente esta acontecendo no momento com tantas noticias. Seria muito útil, a data na noticia, casualmente vocês queiram nos lembrar os acontecidos anteriormente façam um relatório completo. tais como, vou dar um modelo grátis, estão autorizados a usá-los, não vou quer nada – Simples veja abaixo.
    01.09.2016 – – – – – -piririiri
    02.09.2016 – – -as 14,00 horas tatatatatatat
    02.09.2016 ===== as 21,00 horas completando a matéria das 14,00 horas tatatatatatat piriririririr
    e vai por ai a diante – simples e barato, não vou cobrar nada e vai deixar vocês muito melhor e os leitores também com o termino de repetições – abraço.

    1. Dudu Diz

      MELHOR COMENTÁRIO

  5. Fraga Diz

    Notícia sem data e repete a mesma coisa em cada parágrafo. Que lixo….

  6. Nil Diz

    Vcs poderiam desfasar melhor as postagens pois todo mundo está percebendo kkkk…

  7. luciana Diz

    Gostaria de saber o pq de não haver data na notícia e se vocês acham que os leitores tem algum problema para entender a notícia, pois, repetem três vezes a mesmo coisa. Novo método de lavagem cerebral? Repetição?

  8. stars291 Diz

    o cara é fera e ponto final kkkkkkkkkkkkk

  9. Tiago Diz

    Perfeito, aquilo lá ta precisando de uma faxina mesmo!

    Pena não ter data na noticia.

  10. Amilton Diz

    Que textinho chulé, feito para encher linguiça e dar combustível para os retardados ficarem compartilhando por aí.

  11. Naycon Diz

    Com um amigo desses quem precisa de inimigo! Kkk

  12. Maria Diz

    Correndo comprar uma pá, p’ra jogar terra e tapar o poço, hahaha.

  13. Hermany Costa da Silva Diz

    Tudo isso Deputado Eduardo Cunha só está acontecendo porque os eleitores do nosso País ainda não ouviram o que eu ouvi de um bom Juiz Norte Rio-grandense: “O Povo não sabe a força que tem”. Quando isto acontecer, o que não está muito longe. muita canalhice não se estenderá. E eu, apesar de bastante idade, ainda vou sentir essa glória. Por ora, Deputado, vá ameaçando

    1. carol victorio Diz

      Hermany costa, CONCORDO! Estamos dia após dia cada vez mais inojados com os políticos e a política do nosdo país. Saí ladrão e fica no comando os piores ladrões…

  14. Darlene Regina Mattes Diz

    Geraldo Alckmin é acusado de falir a Carteira dos Cartórios do Estado de SP
    Postado por Brasil Verde Amarelo em 21 de junho de 2016
    032

    PUBLICIDADE →

    Muito se discute sobre as causas que levaram a Carteira das Serventias à atual situação de incontinência à pagamentos a pensionistas e aposentados, principalmente após a vigência da Lei 15.855/2015, que levou a Carteira a não mais ter fundos econômicos para pagar seus aposentados e pensionistas, visto haver retirado 4 pontos percentuais dos emolumentos devidos à Carteira, indo de 13% para 9% (1% foi atribuído ao Fundo Especial de Despesa do Tribunal de Justiça de São Paulo e 3% ao Fundo Especial de Despesa do Ministério Público Estadual).

    Seguem algumas considerações:

    Primeiro: A Lei 14.016, em seu artigo 3º, parágrafo 1º, contraria diretamente o art. 37, §6° da Constituição Federal, ao dispor que em nenhuma hipótese o Estado, incluindo as entidades da administração indireta responde, direta ou indiretamente, pelo pagamento dos benefícios já concedidos ou que venham a ser concedidos no âmbito da Carteira das Serventias, tampouco por qualquer indenização a seus participantes ou por insuficiência patrimonial passada, presente ou futura.

    Com esse dispositivo chegou-se à inusitada situação em que o Estado cria determinado regime de previdência – a princípio obrigatório -, administra-o por cerca de meio século e, da noite para o dia, resolve extingui-lo, eximindo-se de toda e qualquer responsabilidade – direta e indireta, pelo pagamento dos benefícios já concedidos ou mesmo pelos benefícios futuros, tudo após ter ele mesmo, o Estado, comprometido severamente a fonte de custeio de dito regime previdenciário.

    Ocorre que é objetiva e inafastável a responsabilidade do Estado pelos danos provocados por seus prepostos ou representantes. Trata-se de disposição expressa da Constituição Federal (art. 37, §6°), resultado de entendimento há muito consolidado e que tem origem nas prerrogativas de que goza a Administração no trato com os particulares. De fato, a responsabilidade assegurada no art. 37, §6° da Constituição Federal é o contraponto ao já mencionado regime de prerrogativas. Em outras palavras, se ao Estado é dado modificar ou rescindir unilateralmente avenças ou compromissos mantidos com os particulares, é certo que terá que indenizar pelos prejuízos causados, independentemente da prática de ato culposo. Isso significa que o legislador paulista pretende utilizar-se de uma prerrogativa e eximir-se totalmente de responsabilidade pelos prejuízos daí decorrentes, o que não se pode admitir. É de se ponderar que os integrantes da Carteira de Previdência das Serventias Não Oficializadas do Estado de São Paulo que aderiram à carteira do IPESP fizeram-no baseados na convicção de que o investimento era sólido e o retorno certeiro, dado o protagonismo do Estado na sua criação e também na sua gestão. Todos tinham a garantia de que o Estado responderia integral e objetivamente pelo cumprimento das obrigações assumidas e por essa razão escolheram e mantiveram o IPESP (O Instituto de Previdência do Estado de São Paulo – IPESP era uma entidade autárquica estadual, criada pelo artigo 93 da Constituição Federal de 9 de julho de 1935, com personalidade jurídica e patrimônio próprio, e era vinculada à Secretaria do Estado de Negócios da Fazenda e regulamentada pelo Decreto nº 30.550, de 3 de outubro de 1989, que revogou os Decretos nºs 51.238/69, 52.674/71 e 4.144/74). Essa convicção era tão consistente que a imensa maioria desses milhares de trabalhadores deixaram de buscar um plano de complementação ou suplementação de aposentadoria. E hoje já não podem rever a sua opção, em razão da idade.

    Segundo: Determina a referida Lei que os precatórios judiciais relativos à Carteira das Serventias pendentes na data da publicação da lei, ou que venham a ser expedidos, serão pagos com recursos da Carteira (Lei 14.016, de 2010, do Estado de SP, art. 3°§ 3°). Assim, vale destacar que o legislador paulista pretende afastar até mesmo o dever de pagar os precatórios, o que é ainda mais absurdo, pois esses títulos referem-se a período durante o qual a carteira era inquestionavelmente vinculada ao Estado. Aqui, mais uma vez, verifica-se a temerária intenção de fazer uso de uma prerrogativa estatal sem observar o ônus correspondente. O regime de precatórios, como se sabe, é exclusivo dos entes públicos e extremamente desfavorável aos particulares, que são compelidos a aguardar passivamente por anos ou até décadas de atraso. Mas existe uma contrapartida, que é a certeza do recebimento – contrapartida esta que a Lei 14.016 pretende afastar.

    A Lei 1010/2007 criou a SPPREV estabelecendo em seu artigo 1º que a mesma passa a ser a gestora única do RPPS e RTPM, sem nenhuma menção à Carteira de Previdência das Serventias Não Oficializadas. Todavia, o mesmo diploma legal em seus artigos 36 e 37 estabelecem, verbis:

    Artigo 37 – Fica o Poder Executivo autorizado a:

    I – transferir para a SPPREV o acervo patrimonial do IPESP e da CBPM, relativos às competências que lhe são atribuídas por esta lei complementar, de acordo com o cronograma referido no artigo 36 desta lei complementar,
    II – transferir para a SPPREV o acervo patrimonial das Secretarias de Estado e das entidades da Administração indireta do Estado, relativos às competências que lhe são atribuídas por esta lei complementar, de acordo com o cronograma referido no artigo 36 desta lei complementar;
    III – remanejar, transferir ou utilizar os saldos orçamentários do IPESP, da CBPM, das Secretarias de Estado e das entidades da Administração indireta do Estado, para atender as despesas previdenciárias e de instalação e estruturação da SPPREV.

    O artigo 37, como visto, estabeleceu a transferência para a SPPREV do acervo patrimonial do IPESP e das entidades da administração indireta, sendo que, por derradeiro, até a conclusão da instalação da nova gestora, os órgãos e entidades dos Poderes Executivo, Judiciário, Legislativo e Ministério Público ficam incumbidos de assegurar o funcionamento da nova instituição. Em que pese a omissão à Carteira de Serventias Não Oficializadas, os dispositivos acima transcritos asseguram de maneira inconteste a obrigação existente, mesmo porque o SPPREV nada mais é do que sucessor do IPESP. A omissão do Estado, certamente consciente, não elide tudo quanto constava da legislação específica que regula a atividade dos autores, ora agravantes, pois, o SPPREV é sucessor do IPESP, não tendo como furtar-se às suas obrigações, mesmo porque estaríamos diante de no mínimo uma aberração jurídica, uma vez que se encontram com o patrimônio do IPESP, ou seja, as contribuições efetuadas e as obrigações daí advindas o que pode até mesmo caracterizar enriquecimento ilícito enquanto não forem “realocadas”, em outras unidades administrativas as funções previdenciárias do IPESP, tudo isso em regulamento, que é Ato Administrativo, e que certamente não ocorrerá dentro dos dois anos previstos, o que vale dizer que esses serventuários foram simplesmente abandonados.

    Não obstante haver transferido à SPPREV todo o acervo patrimonial do antigo Ipesp, haver remanejado, transferido e utilizado os saldos orçamentários do antigo Ipesp, fez ainda mais, para o espanto dos integrantes da Carteira de Previdência das Serventias. Pela LEI Nº 14.016, DE 12 DE ABRIL DE 2010, estabeleceu:

    Artigo 3º – É vedada a inclusão na lei orçamentária anual, bem como em suas alterações, de qualquer recurso do Estado para pagamento de benefícios e pensões de responsabilidade da Carteira das Serventias.

    § 1º – Em nenhuma hipótese o Estado, incluindo as entidades da administração indireta, responde, direta ou indiretamente, pelo pagamento dos benefícios já concedidos ou que venham a ser concedidos no âmbito da Carteira das Serventias, tampouco por qualquer indenização a seus participantes ou por insuficiência patrimonial passada, presente ou futura.

    § 2º – Responderá exclusivamente o patrimônio da Carteira das Serventias por eventuais ônus relativos a contribuições previdenciárias não recolhidas, bem como por valores relativos à compensação previdenciária do Regime Geral de Previdência Social.

    § 3º – Os precatórios judiciais relativos à Carteira das Serventias pendentes na data da publicação desta lei, ou que venham a ser expedidos, serão pagos com recursos da Carteira.

    No popular, “negócio da china”: toma-se o patrimônio mas mantêm-se os ônus dos precatórios.

  15. PAULO PAULO Diz

    De quando é essa notícia? Porque não põe a data? Eta, jornalismo fajuto!

    1. Deise Mariani Diz

      12 de jun de 2016 – O deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está na linha de tiro da … Supremo Tribunal Federal, mandou um recado ao interino Michel Temer: se cair, sairá atirando; Cunha disse ainda que leva com ele 150 deputados, um senador e … Leia ainda a coluna Cunha entra de vez na linha de tiro.

  16. Jose aloncio de sousa leite Diz

    Se todos nos brasileiros procurase nao fosse tao esquecido daqui a dez anos o povo brasileiro voltam a votar nos mesmos corruptos que air estao

  17. Rodolfo Perissé Rocha Diz

    Custa muito botar DATA na notícia? (X2)

  18. Gilson Silva Diz

    O Cunha parece que está ressecado. Precisa comer mais fibras. Ameaça soltar essa bosta o tempo todo. Que tal usar um supositório?

  19. nelson Diz

    Façamos as contas: Cunha denuncia 150; Lulla diz que tem “uns” 300 picaretas no congresso. Só aí já são 450, ou seja quase 90%, é isto mesmo, quase noventa por cento da câmara federal. Com isto a tão desejada faxina ética seria realizada. Se todos tiverem ficha suja, não poderão disputar eleições por 10 anos. Só assim pra gente conseguir eliminar os corruptos do poder. E que o povo nunca mais vote nestes canalhas.

    1. Arturo Gómez Diz

      nao necesariamente trata se de somar 300 + 150, alguns podem ser comuns. Tem que restar a interseção de ambos grupos.

  20. Evair da Costa Nunes Diz

    Concordo com aqueles que consideram necessário postar a data em que a notícia e/ou o post é publicado!!!!!!!!

  21. Gustavo Henrique Omena Diz

    Ó coisa boa eu mais é ver a palha voar eu quero é que isso aconteça mesmo, ai o Brasil vai ver a podridão que existe nesse conluio de vagabundos golpistas eu mais é que ele caia e arraste o resto com ele para o fundo do poço para o povo ver onde estar toda a podridão dentro PMDB e do resto dos partidos que apoiam o governo de fascista safado !

  22. Jesiel Diz

    Quando será que o estado islâmico vai atacar Brasília?

    1. Carlos Alves Diz

      Já está atacando… não leu a notícia?… Brasília já tem islâmicos demais

  23. Cleide Diz

    Espero que tenham uma excelente fonte e CONFIÁVEL, porque pelo que lí no twitter do Eduardo Cunha, agora vem é processo pra cima de todos que propagarem mentiras.

  24. ga Diz

    Pensei o mesmo que o Renato. Meu primeiro pensamento foi “ué, de novo?”. Não sei agora se é coisa velha ou ele repetiu a ameaça.

  25. Andrea Diz

    De quando é essa matéria?

  26. Marcos Santiago Diz

    Está se tornando prática na net por parte de alguns blogs, a omissão da data da postagem. Esse registro é de extrema importância no sentido de se poder avaliar o momento exato em que se deu o fato descrito, visto que notícia desatualizada não interessa ao público leitor.

  27. renato kawasaki Diz

    custa muito botar DATA na notícia ?

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.