CRISE: Maranhão demite diretor da TV Câmara por conta de Cunha

0

O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), demitiu nesta terça-feira (21) o diretor da TV Câmara, Cláudio Lessa. A demissão ocorreu horas após a TV transmitir ao vivo parte de uma entrevista coletiva concedida pelo presidente afastado da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Segundo a assessoria de imprensa, a transmissão não foi o motivo oficial para a demissão de Lessa, que foi colocado no cargo por Cunha.

Maranhão já pensava em substituí-lo por outros acontecimentos que teriam gerado um desgaste entre eles. O ex-diretor da TV retornou de férias na segunda-feira (20) e foi comunicado da demissão nesta terça.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Maranhão disse que estava apenas aguardando Lessa voltar das férias. “Essa questão já estava decidida, estava apenas aguardando o retorno das férias. As pessoas passam e as instituições ficam. Trata-se de um bom profissional que cumpriu a sua missão com zelo e responsabilidade”, afirmou.

A entrevista de Eduardo Cunha foi transmitida ao vivo em um dos canais secundários da TV Câmara, acessível apenas para quem tem TV digital em Brasília, pelo site da Câmara e através da página da instituição no YouTube. Além disso, uma equipe da TV se deslocou até o local onde Cunha fez o seu pronunciamento, o Hotel Nacional, para acompanhar a entrevista coletiva.




A justificativa da TV Câmara foi que a transmissão seguiu um critério jornalístico já que poderia haver algum anúncio por parte do presidente afastado, como a sua renúncia, e que poderia ter impacto direto na Casa.

A transmissão foi alvo de questionamentos de deputados que protestaram contra o fato de a estrutura da TV ter sido usada para veicular a entrevista dada por Cunha, que está com o mandato suspenso, em um hotel de Brasília.

Representação
A deputada Maria do Rosário (PT-RS) chegou a entrar com uma representação na Mesa Diretora da Câmara pedindo que Cunha devolva à Casa o dinheiro gasto com o pronunciamento. A petista afirmou que a transmissão foi irregular, já que Cunha é alvo de um processo de cassação, aprovado pelo Conselho de Ética da Casa.

“É muito contraditório alguém que está sendo processado pela Câmara utilizar a própria estrutura da Casa em um pronunciamento. Isso demonstra a força que ele tem dentro da Casa e deve deixar de ter. O gasto com a transmissão se refere a um interesse privado. Foi um uso pessoal da estrutura da Câmara por um parlamentar que está afastado por decisão do Supremo”, disse a parlamentar.

O presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PR-BA), também criticou a transmissão da entrevista. Ele argumentou que, como não se referiu a pautas legislativas, não poderia ter sido veiculada pela TV Câmara.




“Hoje vocês viram, ele está afastado como deputado. Ele reivindicou e a Câmara foi exatamente no hotel que ele estava para cobrir toda a sua reportagem, e o STF precisa se pronunciar quanto a isso”, disse Araújo.

O deputado Carlos Marun (PMDB-MS), um dos principais aliados de Cunha, defendeu a transmissão da coletiva pela TV Câmara. Ele argumentou que o tema da entrevista desperta o interesse da população e dos próprios deputados.

“Acho justa a cobertura da TV Câmara, uma emissora que também compete por audiência. A TV agiu corretamente, prestou seu dever de informar ao transmitir uma entrevista de interesse público”, afirmou Marun.
Outro defensor do peemedebista, o deputado Laerte Bessa (PR-DF) admitiu que a situação do presidente afastado é “indefensável”, mas ponderou que ele continua sendo um parlamentar. “Não foi uso indevido porque o Eduardo Cunha é deputado federal ainda. O assunto era de interesse da Câmara. Não vejo arbitrariedade, irregularidade da transmissão”, disse Bessa.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.