DESAFIANDO TEMER: A Venezuela, de Nicolás Maduro, comunicou que está assumindo a presidência do Mercosul;

1

Em carta enviada às chancelarias dos países do Mercosul, a Venezuela, de Nicolás Maduro, comunicou que está assumindo a presidência do Mercosul, a despeito da oposição de Brasil e Paraguai – dois países que viveram rupturas democráticas, com seus golpes parlamentares.

“Informamos que, a partir de hoje, a República Bolivariana da Venezuela assumirá com beneplácito o exercício da Presidência Pro Tempore do Mercosul, com fundamento no artigo 12 do tratado de Assunção e em correspondência com o artigo 5 do Protocolo de Ouro Preto”, diz o documento assinado pela chancelaria de Maduro, que desafiou a posição de Temer.

A carta tem como data sexta-feira, 29 de julho, e teria sido enviada às chancelarias dos países-membros do bloco. “Informamos que, a partir de hoje, a República Bolivariana da Venezuela assumirá com beneplácito o exercício da Presidência Pro Tempore do Mercosul, com fundamento no artigo 12 do tratado de Assunção e em correspondência com o artigo 5 do Protocolo de Ouro Preto”.

Na carta, a Venezuela ressalta que estes artigos são os “únicos instrumentos normativos fundacionais que regulam a procedência e continuidade da Presidência Pro Tempore” do Mercosul.

O governo do Uruguai comunicou ontem aos países do Mercosul que estava deixando a presidência do bloco após o fim do período de seis meses em que lhe competia liderar a organização.

No comunicado, Montevidéu reiterou sua posição de que a Venezuela deve ser o próximo país a ocupar a presidência do Mercosul, como estabelecem as regras do bloco. “O Uruguai entende que no dia de hoje não existem argumentos jurídicos que impeçam a passagem da Presidência Pro Tempore à Venezuela”, diz a nota.

Também na sexta-feira (29/07), a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, reiterou que “não há nenhuma razão jurídica” para que seu país seja impedido de ascender à presidência rotativa da organização.

Rodríguez também pediu que os países-membros do Mercosul “mantenham a unidade” do bloco, que tem sido, nos últimos meses, palco de uma disputa política internacional devido à oposição do governo do Paraguai, liderado por Horacio Cartes, e do governo interino do Brasil, liderado por Michel Temer, ao governo venezuelano, liderado por Nicolás Maduro.

Na sexta-feira, fontes diplomáticas uruguaias informaram à Agência Efe que a passagem da liderança à Venezuela não foi realizada devido a “diferenças internas” entre os membros da organização.

Na quarta-feira (27/07), foi cancelada a reunião de chanceleres do bloco que estava prevista para este sábado (30/07), na qual se discutiria a questão da transição. Paraguai e Brasil, que são contrários à passagem da liderança à Venezuela, já haviam anunciado ao Uruguai que não participariam da reunião.

Os países do bloco mantêm divergências quanto à interpretação do protocolo para a transferência do mandato, abordada no Tratado de Assunção e no Protocolo de Ouro Preto (1994).

A orientação que há nos documentos é que “a presidência do Conselho do Mercado Comum será exercida por rotação dos Estados partes, em ordem alfabética, por um período de seis meses”.

Enquanto a Venezuela entende que o processo de transição é automático, Paraguai e Brasil defendem que é necessário consenso entre os Estados, além de uma reunião para efetuar a passagem. A Argentina não se posicionou de forma definida a respeito da questão.

A Opera Mundi, um funcionário do Mercosul disse que a entidade, até o fim da sexta-feira, não tinha informações sobre o processo de transferência da presidência do bloco.

você pode gostar também Mais do autor

1 comentário

  1. click resources Diz

    I just want to mention I’m beginner to blogging and site-building and honestly loved you’re web-site. Very likely I’m want to bookmark your blog post . You actually come with really good stories. Thanks a bunch for revealing your website page.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.