E AI SILVIO SANTOS? Em áudio para Patrícia Abravanel, mulher de Joesley diz que “tinha jantar todo dia na minha casa com vários políticos”

2

A mulher de Joesley Batista, Ticiana Villas Boas, rebateu informações dadas pelo delato Ricardo Saud, da JBS, em relação a um jantar em sua casa em que teria se discutido pagamento de propina para o governador do Rio Grande do Norte, Robson Faria (PSD).

No encontro também estaria presente o deputado Fábio faria (PSD-RN), filho do governador e marido de Patrícia Abravanel, filha de Silvio Santos, a quem Ticiana enviou uma gravação.

O material, obtido pela Folha, foi protocolado por advogados de Patrícia Abravanel em uma ação civil contra Saud em que ela pede uma multa de R$ 300 mil por danos morais.

Oi, Pati! Sou eu, Tici. É…tô ligando pra você e mandando essa mensagem pra… te falar do meu apoio, é…que eu tô do seu lado, quer diz(er)… não existe lado nessa história… Mas é assim, eu tô fora do País, já tem um tempo, né, como eu já tinha te falado, e ficou… e optei por não ver notícia, não ver televisão, porque eu tô… péssima, me magoa muito, né, óbvio. Você deve saber tudo o que tá acontecendo aí pelas notícias e tudo. Mas, é… me mandaram, tsc…é… um print de notícias relacionadas a você, que você…que parece que um executivo do… da JBS que falou que cê tava num jantar e num sei o quê de propina, uma loucura total… E que.. e hoje eu recebi (isso foi ontem), hoje eu recebi outro print de que você… não foi print esse, foi uma mensagem dizendo que você vai ter que depor… Então o que eu quero falar é que eu acho um absurdo isso tudo… que tá acontecendo. É… aquele jantar, imagina só, não tem nada a ver… do que falaram, foi um jantar normal, eu não vi nada de, de, de, dinheiro, de… de nada que beirasse ser ilícito. Joesley me falou que é um amigo dele, é… com uns casais, é… jantar em casa, como tem, praticamente como tinha, praticamente, milhõ…, jantar todo dia na minha casa, com vários políticos, vários empresários, tudo presidente, tudo na minha casa, ia, então, óbvio, não achei nada demais, nada de diferente do que… do que eu tô acostumada e não conversamos nada sobre isso. É, conversamos sobre é… o SBT, sobre filho, eu acho que eu tava grávida na época, você logo depois me chamou pra ir pro chá, pro chá de bebê de Pedro, eu fui. Então… então eu quero, seguinte, na prática dizer que se você for chamada pra depor ou se você precisar de qualquer coisa minha, do meu depoimento, que eu fale, eu tô à disposição. Tanto pra falar pra sua família, se você quiser. Se você for chamada pra depor, ou você… ou tiver qualquer tipo de implicação pra você, eu sou sua testemunha de defesa e vou deixar claramente que é um absurdo. Primeiro, que tudo que tá acontecendo aí, que Joesley falou, eu não sabia de nada, é… soube praticamente… um pouquinho antes, mas praticamente junto com todo mundo, na televisão. Então, eu tô assustada com tudo. E esse é… eu imagino que você também não saiba de nada, não sei… bem, não sei nada também, de nada da sua vida, mas… Mas o que eu quero dizer é que eu… eu tô aqui pra o que, o que você precisar e acho que nós somos vítimas de uma coisa que a gente não tem nada a ver. E… e é isso. Gosto muito de você e o que eu puder ajudar pra minimizar aí esse absurdo que aconteceu com você, é o mínimo que eu posso fazer, eu faço.

diariodocentrodomundo

você pode gostar também Mais do autor

2 Comentários

  1. Jonas Vaquer Diz

    Deputado Fábio Faria e a mulher, Patrícia Abravanel, tentam anular parte da delação de executivo da J&F.
    O deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) e a mulher dele, a apresentadora Patrícia Abravanel, filha do apresentador Sílvio Santos, vão tentar anular na Justiça parte da delação de um executivo da J&F, Ricardo Saud.

    O trecho contestado pelo casal se refere ao depoimento em que Saud relatou aos investigadores da Lava Jato que a empresa combinou um pagamento de propina para o deputado durante um jantar na casa do dono da JBS, Joesley Batista.

    Segundo Saud, também estavam presentes Patrícia Abravanel e Robinson Faria, governador do Rio Grande do Norte e pai de Fábio, além da esposa de Robinson.

    Na delação, Saud disse que, em troca da propina, uma empresa do grupo J&F ficaria com o controle do serviço de água e esgoto do Rio Grande do Norte. O executivo afirmou que a propina foi paga, “algo em torno de R$ 10 milhões”, mas a J&F desisitiu de tocar o negócio na área de água e esgoto.

    Para tentar invalidar esse trecho da delação, a defesa do casal vai usar uma mensagem por telefone deixada pela mulher de Joesley, a apresentadora Ticiana Villas Boas, para Patrícia.

    Na mensagem, Ticiana se solidariza com Patricia e afirma que não houve conversa sobre propina no jantar.

    A GloboNews teve acesso à mensagem de voz, enviada em 1º de junho. No celular de Patricia, a remetente aparece como Tici Villas Boas. Ela presta solidariedade a Patricia e diz que pode ser testemunha de defesa para deixar claro que a delação é um “absurdo”.

    “Oi, Pati, sou eu, Tici. Estou ligando para você e mandando essa mensagem para te falar do meu apoio. Então, o que eu quero falar é que eu acho um absurdo isso tudo… que está acontecendo. Aquele jantar, imagina só, não tem nada a ver… do que falaram, foi um jantar normal, eu não vi nada de dinheiro, de nada que beirasse ser ilícito. Se você for chamada para depor ou tiver qualquer tipo de implicação para você, eu sou sua testemunha de defesa e vou deixar claramente que é um absurdo”, afirmou Ticiana na mensagem.

    O que dizem as defesas

    Patrícia Abravanel

    A defesa de Patrícia Abravanel afirmou que o depoimento de Ricardo Saud é eivado de má-fe. Disse também que, ao que tudo indica, “no afã de tornar a delação mais vistosa ou atraente por se tratar a autora de pessoa famosa, o réu envolve a autora em situação que não lhe diz respeito”.

    Casal Patrícia Abravanel e Fábio Faria

    O advogado José Luís Oliveira Lima, da família de Fábio Faria e Patrícia Abravanel, afirmou que a gravação de Ticiana invalida o depoimento de Ricardo Saud.

    “Nós estamos falando do áudio da esposa do maior acionista do grupo JBS, casada com Joesley Batista, que desmente taxativamente o que o Ricardo disse no seu depoimento ao Ministério Público. Portanto a maior prova, a prova cabal, a prova que desmente o que Ricardo disse é o depoimento da Ticiana”, disse o advogado.

    J&F

    Em nota, o grupo J&F disse que “nenhum dos colaboradores mentiu em qualquer depoimento prestado à Procuradoria Geral da República e ao Ministério Público Federal.

    “Os colaboradores apresentaram grande número de informações e provas à PGR e em atendimento aos demais ofícios do MP, que estão sendo tratados dentro dos trâmites legais. Sobre a questão trazida pela reportagem é importante esclarecer que o fato ocorreu na data e evento conforme relatados, em conversa reservada, sem a participação nem conhecimento das esposas. Os colaboradores continuam à disposição para cooperar com a Justiça”, disse a J&F na nota.

    Ticiana Villas Boas

    Também em nota, Ticiana Villas Boas confirmou a veracidade da mensagem de voz que enviou em apoio “à amiga e colega de trabalho” Patricia Abravanel.

    Ticiana disse ainda que, como revela o áudio, nem ela nem Patrícia, durante o período em que estiveram juntas no jantar em sua casa, presenciaram qualquer conversa com conteúdo ilícito.

    Por isso, diz a nota, Ticiana se dispôs a defender a amiga caso fosse necessário, com a intenção de evitar que Patrícia fosse envolvida no caso. (AG)
    http://www.osul.com.br/wp-content/uploads/2017/08/Casal-questiona-dela%C3%A7%C3%A3o.-Foto-Reprodu%C3%A7%C3%A3o.jpg

  2. Jonas Vaquer Diz

    Após tentativa de agressão, João Alberto admite denúncia contra senador do PT.
    Dois dias depois do plenário do Conselho de Ética arquivar o pedido de abertura de processo por quebra de decoro parlamentar contra as senadoras que ocuparam a Mesa do Senado, o presidente do órgão, senador João Alberto de Souza (PMDB-MA), acolheu nesta quinta-feira um outro pedido de abertura de processo disciplinar, desta vez contra o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). O senador José Medeiros (PSD-MT) é o autor da ação contra o senador petista e também da ação contra as senadoras que ocuparam a Mesa.
    Na última terça-feira João Alberto foi acuado por Lindbergh que partiu para cima dele, aos gritos e bradando a mão na direção do seu rosto, impedindo que prosseguisse a sessão de julgamento da ação de autoria do senador José Medeiros (PSD-MT), contra as senadoras Fátima Bezerra (PT-RN), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Regina Sousa (PT-PI), Lídice da Mata (PSB-BA) e Ângela Portela (PDT-RR).
    Durante a sessão de julgamento, quando João Alberto anunciou que sortearia o relator, Lindbergh, muito exaltado, irrompeu para cima de João Alberto e, a alguns centímetros do seu rosto, gesticulando muito gritou que não aceitaria que a sessão continuasse.
    — O senhor não tem autoridade para continuar isso! — gritou Lindbergh.
    Sentado ao lado de João Alberto, encolhido na cadeira sem dar um pio, o senador Sérgio Petecão (PSD-AC) se levantou e enfrentou Lindbergh.
    — Não bata nele não! Toca nele para ver. Se não respeita os colegas, respeite a idade dele, moleque! — contra-atacou Petecão.
    Sem se acalmar, os dois ficaram trocando insultos, a centímetros de se pegarem.
    — Você é corajoso né? Mas só para cima de mulher. Não vou permitir que isso aconteça. É uma palhaçada! — continuava gritando Lindbergh, que só se acalmou depois de puxado pelo senador Humberto Costa (PT-PE).
    Depois do bate-boca o plenário do Conselho aprovou requerimento de Humberto Costa pedindo o arquivamento do caso contra as senadoras mulheres.
    A nova ação protocolada ontem por José Medeiros e admitida hoje por João Alberto ,segundo o presidente, se sustenta por indícios de quebra de decoro e o próximo passo é nomear um relator.
    Em nota, Lindbergh disse que a denúncia é “ridícula”, acrescentando que o Conselho de Ética está “desmoralizado” por ter arquivado um pedido de cassação do mandato de Aécio Neves (PSDB-MG).
    A denúncia
    A denúncia foi apresentada pelo senador José Medeiros (PSD-MT), mesmo parlamentar que apresentou a denúncia contra as oposicionistas que ocuparam a mesa do Senado para protestar contra a reforma trabalhista.
    Na reunião em que essa denúncia foi arquivada, Lindbergh tomou a palavra para dizer que o caso era “uma palhaçada”. O petista, então, bateu-boca com os senadores Gladson Cameli (PP-AC), Airton Sandoval (PMDB-SP), Sérgio Petecão (PSD-AC) e com o próprio João Alberto.
    Aos gritos, Lindergh dizia que era um “absurdo” o Conselho de Ética processar as senadoras sendo que havia arquivado um pedido de cassação do mandato de Aécio Neves (PSDB-MG).
    O tucano foi acusado de ter pedido e recebido dinheiro de propina de Joesley Batista, dono da JBS.
    Segundo a assessoria do presidente do conselho, será marcada uma reunião, ainda sem data prevista, para a escolha do relator da denúncia contra Lindbergh.
    https://www.youtube.com/watch?v=5tr3fzo6Wv0

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.