GESTÃO IMUNDA: Dilma é considerada ‘reserva moral’ após delações da Odebrecht que abalaram governo de Michel Temer; CONFIRA!

0

Em nome do combate à corrupção, o Brasil promoveu uma troca inusitada em 2016. Derrubou a presidente honesta e legítima, Dilma Rousseff, para instalar no poder o governo mais corrupto de toda a história, com nada menos que oito ministros investigados no Supremo Tribunal Federal e um presidente que só não é investigado em razão da imunidade que o golpe lhe proporcionou.




O mais trágico na história é que todos os personagens envolvidos nesta conspiração, que fez com que o Brasil se transformasse numa vergonha planetária, estão envolvidos até o pescoço em escândalos de corrupção.




Basta começar por Aécio Neves (PSDB-MG), o responsável maior pela destruição da democracia brasileira, alvo de cinco inquéritos no STF. Num deles, acusado de receber mesadas de até R$ 2 milhões da Odebrecht (leia aqui). Ao seu lado, também com cinco inquéritos, só Romero Jucá (PMDB-RR), que foi flagrado defendendo o golpe para “estancar a sangria” da Lava Jato.

Outros personagens estão igualmente enlameados. O executor do golpe na Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), está preso em Curitiba. O avalista da conspiração, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, foi acusado de receber vantagens indevidas da Odebrecht em suas campanhas (leia aqui). O relator do golpe no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), é também acusado de receber R$ 7 milhões da empreiteira.

Enquanto isso, não há uma única acusação de benefícios financeiros à presidente deposta Dilma Rouseff. Contra ela, o máximo que se diz é que houve doações não contabilizadas à campanha – o que não era de sua responsabilidade direta – e que teria alertado o amigo João Santana.

Ou seja: o Brasil golpeou a presidente honesta para favorecer políticos corruptos. De quebra, arruinou sua própria economia ao longo desse processo insano.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.