LASCOU: Após apoiar e defender Cunha, deputado se desespera para recuperar imagem; VEJA!

2

Um dia após ter encerrado a sessão da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e adiado para esta quinta (14) o desfecho do processo de cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado Osmar Serraglio pediu a palavra durante a sessão para se justificar e “recuperar um pouco da minha imagem”.

Aliado de Cunha e presidente da CCJ, Serraglio encerrou a sessão na quarta (13) por volta das 17h, embora a eleição para novo presidente da Câmara só fosse ter início às 19h. Foi chamado de “vendido” e criticado pelos deputados aos gritos de “vergonha”.

“Imaginando que minimamente eu possa recuperar um pouco da minha imagem diante do que se vê hoje [quinta] nos jornais, nas redes sociais, nos programas jornalísticos, e aqui está o plenário da CCJ para que eu possa afirmar mais uma vez que eu não prossegui, em nenhum momento, de forma que não fosse regimental”, afirmou Serraglio.




E complementou: “Peço com muita humildade e encarecidamente que a imprensa se puder esclareça isso à população brasileira”.

Depois, em conversa com os jornalistas, Serraglio perguntou: “Vocês vão registrar que as pessoas que me criticaram ontem [quarta] me elogiaram hoje [quinta]?”. Isso porque alguns parlamentares pediram a palavra nesta quinta para defender sua condução à frente da CCJ.

Serraglio admitiu estar aliviado com o fim do processo na CCJ. “É claro que atrapalha. Estávamos já há 12 dias úteis discutindo esse assunto”, afirmou.

Um dos mais ferrenhos defensores de Cunha, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), consolou Serraglio: “O senhor tomou pau da imprensa um dia, ontem [quarta], injustamente. Eu estou tomando há um ano e estou aqui com as costas largas”.

Marun, dentre outras ações, foi o autor do recurso contra a cassação de Cunha no Conselho de Ética, que nesta quinta também acabou rejeitado na CCJ.




No mês passado, o conselho aprovou a cassação de Cunha por 11 votos a 9, no processo mais longo de sua história. Nesta quinta, a CCJ rejeitou o recurso em defesa de Cunha, por 48 votos a 12, e decidiu encaminhar seu processo de cassação ao plenário. Na volta do recesso, em agosto, a Câmara deve decidir se Cunha deve ou não perder o mandato.

A acusação é que ele mentiu aos seus pares por dizer que não tinha contas no exterior. O Ministério Público da Suíça enviou documentação às autoridades brasileiras apontando que Cunha era beneficiário final de três contas naquele país, cuja titularidade estava em nome de trusts -instituto jurídico para administrar bens de terceiros. Com informações da Folhapress.

você pode gostar também Mais do autor

2 Comentários

  1. Jai Cardosoj Diz

    Traidor ,votei no sr a pedido de um amigo. Agora farei campnha contra o sr , defender este safado é ser contra o povo tchau sr de umuarama ,jamais terá o meu voto.

  2. Dirck Stone Diz

    Seu serralho, com essa proteladinha o senhor deu mais uns cem mil do nosso dinheiro pro corrupto parceiro seu. Se votasse na quarta, e quinta fosse a plenário… hoje já estaríamos livre do verme. Parabéns! Peça um churrasco ao Cunha.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.