MORO X LULA: Mulher e filho de Lula dizem à PF que ficarão em silêncio

1

A ex-primeira-dama Marisa Letícia, mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e um dos filhos do casal, Fábio Luís Lula da Silva, informaram à Polícia Federal que pretendem ficar em silêncio. A PF havia intimado em 4 de agosto Marisa Letícia e Fábio Luis para prestarem “esclarecimentos” sobre a compra e reformas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), investigado pela força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba.

Lula é investigado em três inquéritos principais na força-tarefa da Lava Jato em Curitiba: um sobre a compra e reforma do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), sobre compra e reforma do tríplex do Edifício Solaris, no Guarujá, e sobre recebimentos do Instituto Lula e da empresa LILS Palestras e Eventos – do ex-presidente.

Dois ofícios da defesa de Marisa Letícia e Fábio Luís foram anexados aos autos da Lava Jato nesta sexta-feira, 12. O documento é subscrito pelos advogados Cristiano Zanin Martins, Roberto Teixeira e José Roberto Batochio. A defesa afirma que Marisa Letícia e Fábio Luís “não têm nada a acrescentar” em relação ao que já foi dito pelo petista.

Os dois ofícios informam à PF que a mulher e o filho de Lula pretendem “se valer do direito constitucional de permanecer em silêncio (CF/88, art. 5o, inciso LXIII), razão pela qual se mostra inútil seu deslocamento a Curitiba (PR) ou outro local, com dispêndio de recursos e desperdício do já exíguo tempo das autoridades policiais”. O documento registra que “mesmo na hipótese” de a Polícia Federal querer ouvi-los como testemunhas, “incide no caso concreto a proibição legal estabelecida no artigo 206, do Código de Processo Penal”, uma vez que são mulher e filho “do investigado Luiz Inácio Lula da Silva”.

A defesa afirma ainda que Marisa Letícia e Fábio Luís não são proprietários “de fato ou de direito do imóvel objeto da investigação” e que não têm “qualquer ciência ou participação da utilização de recursos de origem não lícita empregados no imóvel objeto de investigação”. Com informações do Estadão Conteúdo.

você pode gostar também Mais do autor

1 comentário

  1. Anselmo Soares Diz

    Juiz inquisidor e seletivo só é considerado normal e até saudável em países em que as leis são usadas para satisfazer o ego dos que não obtém prazeres nas coisas comuns e próprias da vida cotidiana, como define o poeta Fernando Pelon.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.