NOVO ESCÂNDALO: Dez Ministros confirmados no recebimento de doações eleitorais no governo Temer; CONFIRA!

3

Dez dos 23 ministros do presidente em exercício, Michel Temer, vêm de mandatos no Congresso (eram deputados federais ou senadores antes de tomar posse) e, em suas últimas campanhas eleitorais, receberam doações de empresas ou pessoas físicas que hoje têm interesse nas decisões que eles tomam na Esplanada dos Ministérios. O levantamento foi feito pela Lupa com base nos dados de financiamento registrados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e sistematizados pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (DAPP/FGV).

O Ministério dos Transportes é hoje comandado pelo deputado federal Maurício Quintella Lessa (PR-AL). Em 2014, quatro construtoras doaram para a campanha dele um total de R$ 783 mil, que representava quase 35% do financiamento recebido por ele. Duas dessas construtoras trabalham com obras viárias. A Sanchez Triploni, que atua na BR-222, na BR-230 e na BR-153, por exemplo, doou R$ 150 mil para o então candidato a deputado. A Barbosa de Mello Construtora, que trabalha na BR-101, na BR-381 e na BR-153, repassou R$ 100 mil à campanha dele.

O deputado Osmar Terra (PMDB-RS) assumiu o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário no governo Temer. A maior parte do financiamento de sua campanha eleitoral (20%) vem de empresas do setor agrário. A JBS, dona da marca Friboi, é a principal doadora. A companhia aportou R$ 200 mil à última corrida eleitoral do peemedebista.

Titular da Saúde, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) recebeu, durante sua última campanha, R$ 100 mil de Elon Gomes de Almeida, presidente do grupo Aliança, empresa que administra planos de saúde. Esse valor corresponde a 3,1% do total arrecadado por toda a campanha de Barros à Câmara.

O deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), hoje ministro das Cidades, teve 22% de suas doações eleitorais oriundas de empresas de construção, engenharia e infraestrutura urbana. Foram R$ 840 mil procedentes deste segmento. A Ética Construtora foi a empresa que mais contribuiu, doando R$ 300 mil. Em seu site, ela informa que trabalha com drenagem, pavimentação, saneamento e eletrificação.

O novo titular do Ministério do Esporte, o deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), possui sua base eleitoral no Rio de Janeiro – cidade que receberá os Jogos Olímpicos de 2016. Na campanha de 2014, recebeu R$ 800 mil das empreiteiras Queiroz Galvão, OAS e Carioca Engenharia, todas ligadas a obras como o Parque Olímpico de Deodoro, o Porto Maravilha, o BRT Transolímpico e a linha 4 do metrô do Rio de Janeiro. Percentualmente, esse valor representa 23% de tudo que Picciani arrecadou para sua última disputa eleitoral.

Click Política com o Lupa

você pode gostar também Mais do autor

3 Comentários

  1. Jovino dos santos Diz

    Quanto mais mecher…mais vai feder e igual merda todos estáo com o rabo preso…enquanto tiver recurso prá ladráo nunca vai ter soluçáo…

  2. Jovino dos santos Diz

    Quanto mais mecher…mais vai feder e igual merda todos estáo com o rabo preso…enquanto tiver recurso prá ladráo nunca vai ter soluçáo…

  3. Jovino dos santos Diz

    Quanto mais mecher…mais vai feder e igual merda todos estáo com o rabo preso…enquanto tiver recurso prá ladráo nunca vai ter soluçáo…

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.