NOVO PROTAGONISTA: Possível substituto de Cunha na Presidência da Câmara ganhou 12 vezes na loteria;

0

Com a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara Federal, o deputado paranaense Fernando Giacobo (PR-PR) é um dos mais cotados para assumir a presidência da Casa. O presidente em exercício, Waldir Maranhão (PP-MA), tem um prazo de até cinco sessões para realizar novas eleições. Segundo o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), além de Giacobo, Rogério Rosso (PSD-DF) e Rodrigo Maia (DEM-RJ), estão entre os mais cotados.

Desde que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi afastado pelo Supremo, Giacobo, que é o vice-presidente da Casa, presidiu 30 das 33 sessões. Apenas uma foi comandada pelo presidente interino Waldir Maranhão.

Giacobo já foi réu no Supremo Tribunal Federal (STF) em três ações, que foram prescritas, e ganhou na loteria 12 vezes em um período de 14 dias, em 1997.

Giacobo era segundo vice-presidente, eleito em fevereiro de 2015, para mandato de dois anos, e passa a ser o próximo na linha sucessória de Eduardo Cunha. Essa condição levou Giacobo a ser citado na imprensa como alvo de inquérito por crimes contra a ordem tributaria. Ele também teria se envolvido em ações sob a acusação de sequestro e carcere privado, falsidade ideológica e formação de quadrilha. Esses últimos prescreveram em 2011.

No processo de cárcere privado, o parlamentar era acusado de sequestro contra José Adílson dos Santos, que teria sido vítima dos crimes em Cascavel (Oeste do Paraná), onde se encontrou com Giacobo para entregar papéis de uma fazenda que seria vendida em Mato Grosso. A investigação aponta que o parlamentar desconfiou da autenticidade dos documentos e, por isso, teria mantido Santos em cárcere privado por mais de 30 horas, até que o antigo proprietário restituísse um sinal de determinado valor.

No caso das loterias, o mais curioso, ele ganhou doze vezes – somados os prêmios, recebeu R$ 134 mil. Em 2004, em entrevista à Folha de S. Paulo, o deputado atribuiu a bolada recebida à sua sorte. “Pura sorte. Juro por Deus. Eu sou um cara de muita fé”, disse.

“Rapaz, deve ter sido um mês que eu devo ter jogado bastante. Você vai lá, consulte a Caixa, manda a Polícia Federal averiguar se o jogo não é quente, aí você me liga se não for”.

A assessoria de Giacobo enviou ao Paraná Portal documento de certidão de antecedentes do STF mostrando que não há inquérito em andamento e que a situação junto à Receita Federal foi regularizada. Em nota, o parlamentar afirmou que “atualmente o deputado não responde a nenhum crime”.

Deputado que atua no Sudoeste e Oeste do Paraná, Giacobo é empresário do setor automotivo. Foi eleito deputado federal pela primeira vez em 2002, filiado ao PPS. Foi do PL e agora é do PR – e foi reeleito três vezes, fazendo 145 mil votos em 2014.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.