PODER SEM VOTO? FHC critica a tese de novas eleições defendida pela maioria da população;

4

Não foi à toa que a pecha de golpista grudou de vez no ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e impediu até que ele participasse de um recente encontro de intelectuais nos Estados Unidos. Basta ler seus artigos, que são exercícios de cinismo e hipocrisia.

Neste domingo, FHC comprova mais uma vez seu talento nessa arte. Depois de ver seu partido perder quarto eleições presidenciais, ele “lamenta” que o golpe tenha “ingloriamente culminado com quem talvez menos culpa tenha no cartório, a ainda presidente Dilma.”




Em seguida, ele critica a tese de novas eleições defendida pela ampla maioria da população e afirma que se deve atravessar a “pinguela” com Michel Temer no poder – algo que só 17% dos brasileiros desejam.

Por último, manda um recado aos adversários: “Que se reconstruam, desistam das hegemonias e se habituem à competição democrática e à alternância no poder.” Pelo jeito, FHC defende a conquista do poder sem voto.

Por Fernando Henrique Cardoso

Em julho passado André Franco Montoro faria 100 anos. Num país desmemoriado é bom recordar: Montoro foi dos raros políticos capazes de, sendo realistas, não deixar de lado os sonhos, as crença, os valores.




Em época de pouco-caso com o meio ambiente, Montoro exortava as pessoas a plantar hortas, a dar preferência à navegabilidade dos rios, a deixar de lado os egoísmos nacionais e olhar para a América Latina, a dizer não à bomba atômica. E, principalmente, a entender que a política requer desprendimento e grandeza. Foi assim quando, quase sozinho, impôs ao antigo PMDB um comício pelas eleições diretas-já na Praça da Sé, em 1984. E outro exemplo nos deu quando, lidando com outros gigantes, apoiou Tancredo Neves para a disputa no Colégio Eleitoral.

Conto um episódio. Nos preparativos para a eleição indireta do novo presidente, a Veja publicou uma entrevista de Roberto Gusmão, então chefe da Casa Civil de Montoro, em que este, falando por São Paulo, lançava o nome de Tancredo Neves para concorrer pela oposição. Na época, além de muito ligado a Ulysses Guimarães, eu era presidente do diretório do PMDB de São Paulo. Ulysses, como fazia habitualmente, passou na manhã subsequente à publicação da entrevista pelo casarão que então sediava o partido. Perguntou-me de chofre: “Isso é coisa do Gusmão ou do Montóro?” – como ele pronunciava. Confirmei que era opinião do governador de São Paulo. “E você, o que acha?” Disse-lhe: “O senhor sabe dos laços de respeito e amizade que nos unem, mas nas circunstâncias é a opção para ganharmos no Congresso”. Redarguiu: “Quero ouvir isso do Montóro”.

E, assim, uma noite jantamos Montoro, Ulysses, Gusmão e eu, e cada um de nós, sob o olhar severo de Ulysses, confirmou suas opiniões. Ulysses não teve dúvidas: chefiou a campanha pela eleição de Tancredo. De fato, eleitoralmente quem poderia concorrer com Tancredo era Montoro, dado o volume de votos de São Paulo, que pesariam em eleições diretas. Tancredo, entretanto, teria vantagens táticas no convencimento de um Colégio Eleitoral composto por congressistas. Realista, Montoro logo propôs o nome mais viável. Vencemos.

Então estava em jogo a redemocratização do País, a convergência era necessária. Ela teve que ser ampliada para englobar os que antes eram adversários. Assim atravessamos o Rubicão e fomos, pouco a pouco, reconstruindo a democracia. Escrevo isso não só para valorizar a trajetória política e humana de gigantes como Montoro, Ulysses e Tancredo, mas para fazer paralelo com o presente.

Para o Brasil poder se reconstruir, depois do tsunami lulopetista, ingloriamente culminado com quem talvez menos culpa tenha no cartório, a ainda presidente Dilma, é preciso grandeza. Não nos iludamos: estamos atravessando uma pinguela, a ponte é frágil. Sempre fui renitente a processos de impeachment porque, mesmo quando bem fundamentados, como o atual, implicam destronar alguém que teve o voto popular e entregar o poder a quem também o recebeu, mas de forma mediata, em comparação com o(a) presidente(a) a ser destronado(a). Contudo a Constituição deve ser respeitada.

O mais provável é que nos levasse a uma escolha precipitada, se não à via indireta do Congresso Nacional, pela impossibilidade de se obter a renúncia da incumbente e do vice. Mesmo que a destituição de ambos viesse por ordem do Tribunal Superior Eleitoral, isso só ocorreria no próximo ano, quando a Constituição manda que a eleição seja indireta.

Logo, o que de melhor temos a fazer é fortalecer a pinguela, caso contrário caímos na água; e quem sabe, fortalecida, a pinguela se transforme mesmo em ponte para o futuro. Não é tarefa fácil e não cabem hesitações nem ambições pessoais. A desorganização da economia, da política e da vida do povo causada pelos desatinos dos governos petistas vai requerer serenidade, firmeza, objetivos claros e muita persistência. Não é momento para exclusões. O PT e seus aliados são partes da vida nacional. Que se reconstruam, desistam das hegemonias e se habituem à competição democrática e à alternância no poder.

Precisamos fixar algumas prioridades, aliás, sabidas. Primeiro, consertar a economia, começando pelas finanças públicas e por aceitar que gastar sem haver recursos não é política “de esquerda”, é erro; e quem paga as consequências dos erros (desemprego, inflação e desinvestimento) é o povo. Segundo, que não dá para governar com dezenas de “partidos” que são meras letras justapostas para obter vantagens financeiras; a cláusula de desempenho e a proibição de coligações nas eleições proporcionais se impõem. Terceiro, não basta o equilíbrio fiscal, é preciso alcançá-lo de modo favorável ao crescimento e à redistribuição de renda; o crescimento, em nosso caso, vai depender de o Estado bem desempenhar o seu papel de regulador (por exemplo, nas parcerias público-privadas e nas concessões) e se abster de abarcar tudo. Quarto, que algum sinal na Previdência (por exemplo, a fixação progressiva de uma idade mínima para as aposentadorias) e no mercado de trabalhos (por exemplo, apoiar a sugestão do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo que dá maior peso às negociações) será importante. Por fim, é preciso entender que a agenda do atraso, preconizada por setores fundamentalistas, que se opõem aos direitos sociais e às políticas de identidade (de gênero, cor, comportamento sexual, etc.) e equalizadoras (as cotas, as bolsas, etc.), é tão perniciosa quanto a paixão pela hegemonia voluntarista.

você pode gostar também Mais do autor

4 Comentários

  1. Shad Staenglen Diz

    Meilleur Credit is the best choice in terms of credit, direct financing, private and FAST WITHOUT CHARGE in advance. Contact Meilleur Credit (www.meilleur-credit.net)

  2. callgirl in new delhi Diz

    My husband and i were now satisfied when Peter could finish up his analysis by way of the precious recommendations he gained when using the site. It is now and again perplexing to just be giving away instructions which other people may have been making money from. And we also do understand we have got the website owner to appreciate because of that. The entire illustrations you made, the simple website menu, the friendships you can give support to instill – it’s everything terrific, and it’s leading our son and our family understand that situation is entertaining, which is certainly really mandatory. Thank you for the whole thing!

  3. check this link right here now Diz

    I just want to mention I am just beginner to weblog and absolutely enjoyed this website. Almost certainly I’m likely to bookmark your website . You amazingly come with amazing writings. Appreciate it for sharing your web-site.

  4. Lançador Digital Diz

    Saia do Time TCC da Depressão e Venha para o Time dos Aprovados!

    – Não sabe como estruturar e montar o trabalho e morre de medo de apresentar o TCC?
    – Tem dificuldades na escolha do tema, elaboração do problema e dos objetivos da pesquisa?
    – Sofre com metodologia e com a pesquisa de referencial teórico?
    – Tem medo de não conseguir fazer o trabalho e ser obrigado a adiar a formatura e correr o risco de perder oportunidades profissionais?

    Clique e saiba mais agora mesmo!
    TCC Sem Drama

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.