ROUBO NA PETROBRÁS: Aliado de Temer e Jucá terá que devolver meio bilhão de reais

0

O ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, que devolveu cerca de US$ 100 milhões em seu acordo de delação premiada, perderá o posto de maior corrupto da Lava Jato. A posição será ocupada por Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, e seus familiares.

Já se sabe que o fundo gerido por Expedito Machado, filho de Sérgio Machado, em Londres, movimentou mais de R$ 700 milhões no período em que o pai presidiu a Transpetro.

Para os investigadores, praticamente tudo se refere a propinas na construção de navios e esse valor terá que ser devolvido à Petrobras. Fala-se em cerca de R$ 500 milhões.

Sérgio Machado começou a grampear senadores, como Romero Jucá (PMDB-RR) e Renan Calheiros (PMDB-AL), assim como o ex-presidente José Sarney, depois que soube que seu sigilo bancário e de seus filhos já havia sido quebrado na Lava Jato, por determinação do juiz Sergio Moro, do Paraná.

Além de Expedito, outro filho do ex-presidente da Transpetro, Sergio Firmeza Machado, foi demitido recentemente do banco Credit Suisse.

Foi essa situação que o levou ao desespero e o transformou em homem-bomba, tendo provocado duas demissões no governo provisório de Michel Temer até agora: as de Romero Jucá, do ministério do Planejamento, e Fabiano Silveira, da Transparência.

Há um clima de apreensão no Senado com os rumores de que os recursos eram divididos com dirigentes do PMDB. No entanto, há também a versão de que Machado desviava recursos para sua família – e não para seus padrinhos políticos.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.