Sem caciques do PSDB, João Doria oficializa candidatura

0

Em uma convenção esvaziada, o PSDB lançou neste domingo (24) o empresário João Doria candidato à Prefeitura de São Paulo sem os principais caciques do partido.

A exceção foi o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), principal fiador da candidatura de Doria.

Nos discursos, o empresário e seu candidato a vice, Bruno Covas, procuraram baixar o tom nos ataques ao PT.

Alckmin se empenha na campanha municipal como demonstração de força e montagem de coligações para a eleição presidencial. O governador foi recebido com gritos de “presidentes”.

Ele não mencionou a ausência do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o chanceler José Serra, o senador José Aníbal e o ex-governador Alberto Goldman, que apoiaram o vereador Andrea Matarazzo nas prévias do PSDB.

Tucano histórico, Matarazzo deixou o partido e se filiou ao PSD com críticas a Alckmin e Doria.

Mesmo o governador Pedro Taques (Mato Grosso), que tinha confirmado presença, faltou ao evento.

O governador Marconi Perillo (Goiás) disse que falava em nome dos demais governadores tucanos ausentes.

O presidente do partido, senador Aécio Neves, que está no exterior, gravou vídeo em que reconheceu que “as disputas existem e fazem bem à política, mas é hora de unidade”.

“Aos poucos, todos virão”, minimizou Doria em entrevista após a convenção.

Ele mencionou a presença do senador Aloysio Nunes Ferreira, que apoiou Matarazzo nas prévias.

Em sua fala, Ferreira disse: “Estou aqui para testemunhar minha fé na unidade do partido”.

Doria agradeceu a mensagem “muito linda” de Whatsapp de Cássio Cunha Lima, líder do PSDB no Senado.

A plateia, comportada, se esvaziou ao longo das sucessivas falas.

ATAQUES

Segundo a reportagem apurou, a orientação da campanha é que os ataques ao PT sejam ajustados para não deixar a corrida personalista.

Doria, que foi interpelado na Justiça pelo ex-presidente Lula, na convenção disse que “não quero particularizar, não vou fazer isso na campanha, mas não posso deixar de dizer: o PT, partido do Lula e (da presidente afastada) Dilma, entregou um legado maldito, da imoralidade, das mentiras, do roubo e do assalto ao dinheiro público”.

Ele mencionou nominalmente os caciques tucanos que boicotaram a convenção por oposição à sua candidatura. “Política não se faz com o fígado, se faz com grandeza”, discursou. A “discordância”, afirmou, “faz parte da democracia, mas nem por isso devemos estigmatizar ou afastar pessoas do nosso partido”.

Doria disse que “nunca fui um divisionista”, ao contrário, definiu-se como um “aglutinador”.

Covas criticou o “jeito PT do discurso vazio, do continuísmo e do retrocesso” e disse que a chapa tucana vai “enterrar” o partido “em São Paulo e no Brasil”.Alckmin afirmou que o “os 13 anos do lulopetismo levaram o país a ser saqueado” e causaram o afastamento das pessoas da política. “Hoje estamos trazendo alguém que não é do dia a dia da política”, disse.

“O PT quer vencer a eleição para se redimir, para resolver os seus problemas. O João e o Bruno querem vencer a eleição para resolver os problemas do nosso povo”, declarou Alckmin. Com informações da Folhapress.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.