RACISTA! New York Times dá lição de moral na grande imprensa brasileira e ‘desnuda’ Willian Waack

0

Revista Forum
O jornal americano The New York Times fez matéria nesta sexta-feira (10), sobre o caso do jornalista William Waack, cujo vídeo gravado fazendo comentários racistas vazou nesta semana, provocando a demissão do jornalista.




A matéria do NYT, com o título “‘It’s a Black Thing’: Offensive Quip Becomes a Rallying Cry in Brazil” (‘É coisa de Preto’: Expressão Ofensiva se Torna um Grito de União no Brasil) traz foto e link do Canal Fórum no YouTube, da Revista Fórum, que foi uma das primeiras (senão a primeira) a dar o assunto que, logo após, explodiu nas redes.
No texto, o jornal afirma que “os brasileiros negros se reapropriaram da expressão insultante ‘É coisa de Preto’, dita por um proeminente âncora de TV, para chamar a atenção para as contribuições de brasileiros de ascendência africana e também para o persistente impacto da descriminação racial no Brasil”.




A matéria descreve o caso em detalhes e diz que, logo após o vídeo começar a circular nas redes, ocorreu uma reação rápida e indignada. “Na quarta-feira a expressão ‘É Coisa de Preto’ foi parar nos trend topics do Twitter no Brasil”.
O texto lembra também que “o Brasil foi o último país das Américas a abolir a escravidão, em 1888. Durante três séculos, cerca de quatro milhões de africanos foram levados para lá e forçados a trabalhar em campos, minas e casas particulares. Hoje, pouco mais de 50% dos brasileiros se identificam como negros ou biraciais, e muitos brasileiros dizem que há uma harmonia racial no Brasil que não existe nos Estados Unidos”.
O NYT lembra, no entanto que “os números apontam para uma realidade diferente: o Brasil é um país onde a expectativa de vida dos homens negros é consideravelmente menor do que para os brancos e onde as pessoas de ascendência africana ganham 36% menos do que os brasileiros não negros”.
*Com informações do The New York Times

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.