Ministro da Justiça de Temer estaria envolvido em desvio de dinheiro, aponta operação da PF

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal, encontraram documentos que comprovam o pagamento de pelo menos 4 milhões de reais ao escritório de advocacia do atual ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

Esse repasse segundo o MPF, seria de uma empresa investigada na Operação Acrônimo realizada pela Polícia Federal.

Relacionadas

Foram apreendidos documentos que comprovam o repasse para o atual ministro da Justiça do governo de Michel Temer entre 2010 e 2014.




Na época segundo a PF, Moraes não exercia cargo público e isso aconteceu quando os agentes federais encontraram na mesa de um dos principais executivos da JHSF, empresa do setor imobiliário, uma planilha com o nome de Moraes que indicava uma sigla do PSDB.




O fato aconteceu no dia 16 de agosto e o nome do ministro da Justiça do governo Temer, estava associado à palavra Parkbem, uma empresa de estacionamento do grupo JHSF.
Moraes nesse caso se torna mais um ministro de Temer envolvido em escândalos e investigado pela Polícia Federal.

Click Política (Matéria do Jornalista Gil Silva)




você pode gostar também Mais do autor