MAIS UMA BOMBA: Marcos Valério revela propina e diz ‘que tinha medo de Aécio Neves e do PSDB de Minas’; ENTENDA!

6

O empresário Marcos Valério, réu no chamado mensalão mineiro, prestou depoimento à juíza Lucimeire Rocha, da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte e afirmou que recursos foram desviados dos cofres estaduais para a campanha à reeleição do então governador Eduardo Azeredo em 1998.




Marcos Valério afirmou que foi usado para pagar chantagem a Cláudio Mourão (tesoureiro da campanha de Azeredo em 1998). “O que o Cláudio ia apresentar acabava com a história do PSDB em Minas. Por isso ele recebeu a grana (para ficar em silêncio)”, disse Valério durante a audiência.

As informações são reportagem de reportagem de Luiza Muzzi no jornal O Tempo.




“’Cláudio Mourão não ia revelar o empréstimo para o Banco Rural ou os patrocínios (para eventos esportivos). O que ele ia revelar era muito pior. Eu? Medo? Nenhum. O medo era do PSDB, do Eduardo (Azeredo), do Aécio (Neves)’, disse Valério. ‘Só se salvaram porque pagamos R$ 700 mil e depois o PSDB pagou mais para calar a boca dele’.

Atualmente preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, Valério afirmou que muitas pessoas não queriam que ele fizesse uma delação: ‘Muita gente trabalhou para que eu não fizesse. ‘N’ manobras foram feitas’.

Mesmo sem dar detalhes sobre o caso, alegando que não pode apresentar fatos novos sem que a delação seja aceita, Valério fez referência às acusações de que estatais mineiras receberam pagamentos ilegais para patrocinar eventos esportivos que teriam sido usados para irrigar a campanha de Azeredo, já condenado a mais de 20 anos de prisão em primeira instância.

‘Não vou ser bode expiatório de ninguém mais. Faltava o nexo causal, e isso eu dei para a PF. Vou ter que falar de quem foi a bênção e não foi do (ex-senador) Clésio Andrade. E tem história cabulosa do por que a Cemig resolveu patrocinar os eventos. A senhora juíza vai ficar escandalizada. Do outro lado (do PSDB), sabiam que o lucro era todo para eles’.”

CLICK POLITICA com Brasil 247

6 Comentários
  1. David Diz

    E ainda vem a tinta dá irmã deste bandido ,defender Aécio neves. Ora poupe de suas palavras ridículas. Este bandido deveria está preso, e todo dinheiro roubado devolvido aos cofres públicos.

  2. Beth Oliveira Diz

    Deveriam dar continuidade as investigações e prisões do caso MENSALÃO MINEIRO… Pegar ai um monte de corruptos e os donos do BMG e BANCO RURAL…
    Tem muita coisa podre ai!

  3. Nêga Diz

    Cantei “esta pedra hoje”. Sabia que, se Marcos Valério descobrisse que os grandes empresários não querem comer cadeia sozinhos e deixarem os verdadeiros bandidos à solta, iriam fazer as delações (que não são poucas e nem são somente eles). Se M. Valério falar tudo o que sabe, metade dos polítcos, ex-políticos, secretários (principalmente os mineiros), não caberão dentro das Penitenciárias mineiras.

  4. Maria Nazaré dos santos Diz

    O QUE DEVERIA SER FEITO É UMA VARREDURA.LIMPEZA,FAXINA ,E TIRAR TODOS ESSES LIXOS DA POLÍTICA BRASILEIRA,NÃO DEIXAR NENHUM RESÍDUO PARA NÃO HAVER CONTAMINAÇÃO. ESSES POLÍTICOS( HOMENS E MULHERES) QUE FAZEM PARTE DA CORRUPÇÃO SÃO UNS CRÁPULAS, UNS CANALHAS QUE NUNCA PENSARAM NO BEM DO POVO E DO PAÍS. nÃO HÁ DESCULPAS PARA O QUE ELES FIZERAM. OUTRA,LADRÃO É E SEMPRE SERÁ, NADA DE VOLTAR DAQUI A 8 ANOS. SE VOLTAR VÊM COM TÉCNICAS DE CORRUPÇÃO MAIS SOFISTICADAS E VÃO TERMINAR O SERVIÇO;

  5. Leda Diz

    O problema que a maioria do povo quer a limpeza, mas os ladrões no comando fazem tudo para favorecer a eles próprios. Queremos que a ficha limpa seja cumprida a rigor, só assim e no STF também tem que haver exoneração.

  6. Reco Bastos Diz

    O Povo não pode aceitar Impassivel qualquer condenação de Lula sem Provas Concretas. Vai ter Batalha…Vai ter Revolução. Moro completamente Parcial e Protetor Verdadeiros Politicos Bandidos Principalmente do PSDB que vem envolvido em Falcatruas antes mesmo do PT assumir qualquer cargo. O Povo Vai Revoltar. Chega desta (In) Jistiça.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.