Luciano Huck que quer ser candidato a presidente se mete em ‘furada’ e tem que pagar indenização

0

Do Conjur:

O organizador de um concurso e o vencedor da disputa têm relação de consumo. Isso acontece porque, além da vulnerabilidade dos concorrentes em relação aos que promovem a competição, quem organiza tem ganhos indiretos ao explorar as imagens dos vencedores.




Esse foi o entendimento da 22ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo ao condenar Instituto Criar de TV e Cinema, que foi idealizado por Luciano Huck, e a Brax Brazilian Experience por não darem um prêmio ao vencedor de um concurso.




A disputa, que aconteceu em 2013, oferecia como premiação uma bolsa de estudos nos Estados Unidos. O autor da ação não tinha os documentos exigidos para entrar no país quando foi declarado vencedor do concurso e apenas os conseguiu faltando poucos dias para a viagem.

Essa demora em conseguir a documentação foi a justificativa dos réus para não fornecerem a viagem em 2013. No ano seguinte, o argumento apresentado para não pagar a ida do vencedor aos EUA foi ausência de disputa naquele ano por conta da Copa do Mundo no Brasil.

Na sentença, os réus foram condenados a pagar R$ 5 mil como indenização por danos morais e R$ 28,6 mil como compensação por danos materiais. No recurso ao TJ-SP, ambos alegaram ilegitimidade para figurarem no polo da ação.

O Instituto Criar afirmou que apenas ajudou na organização do concurso. Já a Brax Brazilian Experience alegou que não comprou as passagens por receio de que o autor da ação não fosse admitido pelas autoridades dos EUA.

“Com todas as vênias, dias antes da viagem o autor apresentou o visto, inexistindo nos autos prova de que havia um cronograma para apresentação de documentos, conforme bem destacado na r. sentença recorrida”, destacou o relator do caso, desembargador Roberto Mac Cracken.

Segundo o julgador, não há duvida sobre a conduta ilícita dos réus. Também destacou que é clara a relação de consumo no caso. “Embora o objeto da ação seja o prêmio de um concurso de bolsa de estudo, houve ganho indireto, inclusive decorrentes da utilização da imagem dos alunos e a divulgação do concurso em redes sociais”.

Especificamente sobre a remuneração do fornecedor do produto ou serviço, que é condicionante para a relação de consumo, conforme delimita o parágrafo 2º do artigo 3º do Código de Defesa do Consumidor, Mac Cracken citou precedente do Superior Tribunal de Justiça que inclui serviços gratuitos nesse rol.

(…)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.