MPF SEM PROVAS! Glauco da Costa Marques admite que assinou recibos de pagamento de aluguel a Lula, mas ‘inventa nova versão’

0

A defesa do engenheiro Glaucos da Costamarques afirmou na noite desta quarta-feira que os recibos entregues pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não comprovam que houve pagamento do aluguel da cobertura vizinha à que o ex-presidente mora em São Bernardo do Campo (SP) e pela qual ele é investigado por corrupção e lavagem de dinheiro. “Os recibos não provam o recebimento do dinheiro”, disse a VEJA o advogado do empresário, João Mestieri.




A força-tarefa da Operação Lava Jato acusa o ex-presidente de ser o verdadeiro dono do imóvel recebido como propina da Odebrecht. Nos registros, o apartamento pertence a Costamarques, que é primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula. Segundo a procuradoria, ele atuou como um laranja no esquema e assinou um contrato de locação com a ex-primeira-dama Marisa Letícia para dar aparência de legalidade à operação ilícita.




O imóvel se tornou questão central do processo depois que a defesa do ex-presidente apresentou ao juiz Sergio Moro 26 recibos de pagamento que datam de agosto de 2011 a dezembro de 2015. Em tese, os documentos contradizem depoimento prestado por Costamarques a Moro no início deste mês. Na ocasião, ele afirmou que comprou o imóvel por 504.000 reais a pedido de Bumlai, que levou calote de Lula durante 4 anos e que só começou a receber efetivamente em novembro de 2015, no mesmo mês em que seu primo foi preso na Lava Jato. Para a defesa do ex-presidente, os recibos demonstram que a cobertura não é dele e que o aluguel foi pago.

O advogado de Costamarques contesta essa afirmação. Segundo ele, Costamarques estava internado no Hospital Sírio Libanês para passar por uma cirurgia cardíaca, quando o contador João Muniz Leite e o advogado e compadre de Lula, Roberto Teixeira, que também é réu no caso, trouxeram-lhe de uma vez um calhamaço de recibos para ele assinar. “O Teixeira teria dito para ele: ‘Olha, o seu primo que pediu para você assinar’. E ele assinou, sem saber muito bem o que estava fazendo. Estava numa cama de hospital e também não eram valores muito altos”, disse Mestieri.

O advogado antecipou que irá pedir ao juiz Sergio Moro as imagens das câmeras de segurança do hospital que comprovariam a visita do contador e do advogado ao seu cliente. Segundo ele, os recibos que contém duas datas inexistentes, como 31 de junho de 2014 e 31 de novembro de 2015, teriam sido escritos pelo contador, que trabalha com Teixeira.

Continua depois da Publicidade

CLICK POLÍTICA com informações de veja

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.