MPF SEM PROVAS! Glauco da Costa Marques admite que assinou recibos de pagamento de aluguel a Lula, mas ‘inventa nova versão’

0

A defesa do engenheiro Glaucos da Costamarques afirmou na noite desta quarta-feira que os recibos entregues pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não comprovam que houve pagamento do aluguel da cobertura vizinha à que o ex-presidente mora em São Bernardo do Campo (SP) e pela qual ele é investigado por corrupção e lavagem de dinheiro. “Os recibos não provam o recebimento do dinheiro”, disse a VEJA o advogado do empresário, João Mestieri.




A força-tarefa da Operação Lava Jato acusa o ex-presidente de ser o verdadeiro dono do imóvel recebido como propina da Odebrecht. Nos registros, o apartamento pertence a Costamarques, que é primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula. Segundo a procuradoria, ele atuou como um laranja no esquema e assinou um contrato de locação com a ex-primeira-dama Marisa Letícia para dar aparência de legalidade à operação ilícita.




O imóvel se tornou questão central do processo depois que a defesa do ex-presidente apresentou ao juiz Sergio Moro 26 recibos de pagamento que datam de agosto de 2011 a dezembro de 2015. Em tese, os documentos contradizem depoimento prestado por Costamarques a Moro no início deste mês. Na ocasião, ele afirmou que comprou o imóvel por 504.000 reais a pedido de Bumlai, que levou calote de Lula durante 4 anos e que só começou a receber efetivamente em novembro de 2015, no mesmo mês em que seu primo foi preso na Lava Jato. Para a defesa do ex-presidente, os recibos demonstram que a cobertura não é dele e que o aluguel foi pago.

O advogado de Costamarques contesta essa afirmação. Segundo ele, Costamarques estava internado no Hospital Sírio Libanês para passar por uma cirurgia cardíaca, quando o contador João Muniz Leite e o advogado e compadre de Lula, Roberto Teixeira, que também é réu no caso, trouxeram-lhe de uma vez um calhamaço de recibos para ele assinar. “O Teixeira teria dito para ele: ‘Olha, o seu primo que pediu para você assinar’. E ele assinou, sem saber muito bem o que estava fazendo. Estava numa cama de hospital e também não eram valores muito altos”, disse Mestieri.

O advogado antecipou que irá pedir ao juiz Sergio Moro as imagens das câmeras de segurança do hospital que comprovariam a visita do contador e do advogado ao seu cliente. Segundo ele, os recibos que contém duas datas inexistentes, como 31 de junho de 2014 e 31 de novembro de 2015, teriam sido escritos pelo contador, que trabalha com Teixeira.

CLICK POLÍTICA com informações de veja

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.