‘Ele é surpreendente, não esmorece nunca’, afirma Lurian, filha de Lula

0

Por Leonardo Fernandes, no Brasil de Fato – Lurian Cordeiro da Silva, 44 anos, é a primogênita do ex-presidente Lula. Em 1989, quando tinha apenas 15 anos, ela foi vítima de uma mentira disseminada nos meios de comunicação com o objetivo de impactar a candidatura de Lula à Presidência da República, como de fato ocorreu. “Para minha sorte, tive uma boa estrutura familiar”, afirma ela, ao comentar os diversos boatos espalhados para desacreditar Lula e sua família naquela época.

Como o pai, ela é militante do Partido dos Trabalhadores (PT) e está ativa na luta por sua libertação de seu pai. Visitou Lula na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba e tem participado de atividades de solidariedade e de apoio ao ex-presidente.

Em entrevista exclusiva ao Brasil de Fato, Lurian conta como a família está enfrentando a prisão, fala do ânimo de Lula para seguir na luta pela democracia e faz um chamado ao povo brasileiro: ‘a gente não pode desistir’.

Continua depois da Publicidade

Confira a entrevista na íntegra:

Brasil de Fato: Lurian, em primeiro lugar, gostaria de perguntar como a família Lula da Silva tem enfrentado essa situação, desde a prisão do seu pai?

Lurian Cordeiro da Silva: A gente está numa luta constante. É obvio que o processo é muito doloroso pra nós. Então por um lado, é muito frustrante, mas nós temos seguido a vida normal, trabalhando, estudando e seguindo a vida. E eu, particularmente, tenho ido a muitas atividades, a atos do PT, do PSOL, do PCdoB. Onde me chamam eu vou porque a gente tem que se confortar, bater nessa tecla do renascimento da democracia, pois ela está desaparecendo. E a prisão dele, que é uma prisão política, acaba sinalizando o fim da democracia, não só pra nós, da esquerda, mas para todo o país. A prisão é uma injustiça desmedida contra o político, mas também contra o cidadão inocente, que é meu pai, avô dos meus filhos e bisavô da minha neta.

Você que já esteve na Superintendência da PF em Curitiba, como está o ânimo do ex-presidente?

Ele é surpreendente, porque a gente chega lá e ele não esmorece. Ele está bem, tem lido, assistido jogos de futebol… Eu acho que quando a pessoa tem certeza da inocência, mesmo sofrendo uma grande injustiça, ele fica tranquilo. Indignado, mas firme. Ele está dando tempo ao tempo. Ele sabe que a verdade vai vir à tona, como tem vindo, por exemplo, com a ocupação do MTST, que mostrou as fotos do apartamento. A verdade sempre vem à tona.

E as cartas, ele lê?

Agora há um processo de filtragem no Instituto [Lula], porque envelopes, caixas precisam ser abertas. Então passa para o Instituto, o pessoal filtra, e encaminha a ele na PF. Mas ele tem lido. E é importante que continuem enviando cartas pra ele. Conforta ele e nos conforta esse carinho. Ele ouve o bom dia, ouve o boa noite, as músicas do acampamento. Ele fica emocionado e está muito orgulhoso da militância estar na rua, estar na luta. A gente sente isso nele.

Lula é muito ligado aos netos. Como eles estão lidando com a prisão do avô?

O primeiro neto que foi visitá-lo foi o Tiago. A minha filha, a Bia, é a mais velha, depois vem o Tiago. Ela vai fazer 23 e ele 21 anos. Os dois administram a questão como a gente mesmo. O João, que é o meu filho de 13 anos, ficou muito emocionado no sindicato [dos Metalúrgicos do ABC]. Essa geração de gamers não é muito integrada. Mas agora ele pergunta sobre tudo, quer pesquisar tudo, saber da história do avô. Ele percebeu que aquilo que ele viveu no sindicato é história mesmo. Eu não sei qual é o entendimento da prisão para os pequenos, mas eles sabem que o avô está sendo injustiçado, que ele está sendo penalizado porque atendeu famílias mais pobres e que a elite do Brasil não aceita um governo popular que tirasse as pessoas da miséria. E a Analua, a bisneta, vai visitar ele essa semana. Será a primeira visita dela.

O isolamento ao qual ele está sendo submetido, preocupa a família?

Ele é uma pessoa que vive da comunicação, que vive dialogando com muita gente. Ao mesmo tempo que essa sala onde ele está foi preparada em respeito a ele, a falta de comunicação, a falta do direito de receber as visitas é o que nos preocupa, porque tem sido arbitrária. Há uma má vontade da juíza e do Moro absurda, de querer vetar os governadores, vetar a Dilma, vetar o Leonardo Boff, vetar a comissão de deputados. Eu acho que não há um bom senso da parte dela. Ela está ferindo a Constituição mais uma vez, pois todo preso tem direito a visitas de amigos, advogados e familiares. Ele está em uma solitária praticamente. Eu não entendo até onde eles querem chegar com esse isolamento dele.

Como vocês, filhos, lidam com os constantes boatos que dão conta de uma suposta fortuna que a família Lula teria acumulado?

Eu, mais do que ninguém, sou vítima de boatos desde 89. A minha imagem foi usada na eleição do Collor, quando a minha própria mãe foi à televisão acusar meu pai de aborto e a mídia comprou esse discurso dela. Para minha sorte, tive uma boa estrutura familiar porque fui criada pela minha avó materna, que desmentiu tudo o que minha mãe falou, desconstruiu tudo o que ela disse. Mas até hoje tem pessoas que me apontam e dizem ‘ah, você é aquela do aborto’. Depois veio uma história de que eu tinha uma ONG que recebeu 7,5 milhões ou bilhões de reais. Depois teve o boato de que ele [Lula] tinha mudado o formato das tomadas porque a fábrica de tomadas era minha. Depois teve o boato da Friboi. Depois o Luiz Cláudio virou dono de milhões de times de futebol. É uma bizarrice atrás de bizarrice e a criatividade das pessoas é demais. Para a família tudo isso é muito triste. É como se não tivéssemos direito de ter as nossas vidas. Fotografam coisas absurdas e dizem que é do meu irmão. Filmam coisas na rua e dizem: ‘olha o filho do Lula num restaurante caro, olha o filho do Lula num iate’. É um absurdo. Teve um parlamentar de Santa Catarina que foi à tribuna falar isso. ‘Ah, porque os filhos do Lula estão em navio, em iate, em lanchas, com mulheres e bebidas’. Eu queria que ele mostrasse isso e comprovasse que eram os filhos do Lula. Então a criatividade e a maldade das pessoas é bem absurda.

Como militante do Partido dos Trabalhadores, como você avalia o fato do PT ter atraído novos militantes após a prisão do seu pai, além do sucesso dele nas pesquisas eleitorais?

Eu acho que as pessoas estão começando a enxergar o que está acontecendo no Brasil. Eu participei de várias caravanas e Chapecó foi uma das cidades mais violentas onde a gente esteve. Desde o começo do dia teve situações, como a pedrada no Frateschi [Paulo], e alguns outros episódios bem tristes. E a gente percebeu que as pessoas que estavam do lado de lá, tem uma maioria muito odiosa, mas tem uma parte que nunca ouviu o Lula falar. Essa observação quem me fez foi o deputado Décio Lima, que me disse: ‘Lurian, olha como quando o seu pai está falando eles ficam em silêncio’. Eles nunca tinham ouvido o Lula falar. Isso vai mudando a formação dessas pessoas, a forma de pensar, e passam a entender que estão sendo manipulados de fato por uma mídia, por um judiciário. E fora que muita gente que era contra a gente ficou sensibilizada com a forma como ocorreu a condenação e a prisão dele. Antes, eu recebia milhares de mensagens agressivas. Hoje eu recebo um monte de mensagens solidárias, e as agressivas sumiram. Há pessoas nas minhas redes sociais que não são nossos eleitores, mas que me manaram mensagens de carinho, solidárias. Eu acho que tem muita gente que ia a manifestações da direita, mas que agora veem o que estão fazendo com o nosso país e por isso mudam a intenção de voto, querem vir para o PT. E é isso que a gente precisa: resgatar a esperança do povo brasileiro.

O que você diria esses milhões de brasileiros e brasileiras que seguem firmes no apoio ao Lula?

Primeiro, eu queria agradecer a cada brasileiro, cada brasileira, que manda mensagens pra gente, que manda cartinha pra ele, que faz oração para ele. É preciso dizer que o caminho da nossa luta é muito difícil, que a luta vai ser árdua, mas que a gente tem certeza da nossa vitória, e por isso a gente precisa de cada uma dessas pessoas, porque cada um é um pouquinho de Lula. Todos os brasileiros e brasileiras são um pouquinho do Lula e a gente não pode desistir da resistência, seja na rua, no trabalho, no ônibus, na escola, na universidade, a gente precisa levar a verdade às pessoas que não acreditam, que não têm esperança, as pessoas que têm dúvidas. A gente não pode desistir. Precisamos defender o Lula sim, levando a verdade, levando informação. Tem dúvidas? Pesquisa, não se paute pela mídia golpista. Hoje em dia, tem uma gama de fontes pra checar. É muito importante a gente propagar sempre a nossa verdade. Porque a máscara deles um dia vai cair.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.