Temer manda barra pessoas com camisas “Lula Livre” no Planalto; CONFIRA!

0

Integrantes da Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Cnapo) foram barrados nesta quinta-feira 26 no anexo I do Palácio do Planalto por estarem vestindo uma camisa com os dizeres #LulaLivre!. O fato acabou gerando protestos e impedindo a realização da 20ª Plenária da Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica.

A arbitrariedade foi denunciada por integrantes de movimentos sociais e representantes da sociedade civil como mais um ato truculento do governo Michel Temer. Não bastasse a censura política, até um líder indígena foi barrado por estar pintado e usando um cocar. “Me falaram que eu devia estar usando trajes corretos, o que é uma demonstração de racismo e de preconceito, pois não aceitam a diversidade e a cultura dos povos indígenas”, disse Jairã Santos, alagoano pertencente à etnia Tingui Botó e representantes dos povos indígenas na Articulação Nacional de Agroecologia (ANA).

O secretário-executivo da ANA, Denis Monteiro, afirmou que foi claramente “uma manifestação de truculência do governo Michel Temer, uma censura à liberdade de expressão”, disse. A truculência foi denunciada à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal, à Comissão de Direitos Humanos da Câmara, presidida pelo deputado Luiz Couto (PT-PB) e ao líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS).

Continua depois da Publicidade

A procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, pediu esclarecimentos à Casa Civil da Presidência da República acerca do episódio. No ofício, a representante do Ministério Público Federal solicita que o órgão informe se há normas que regulam o ingresso nas dependências do Palácio do Planalto, os responsáveis pela negativa de acesso dos representantes da CNAPO – identificados por nome, cargo e função –, e se a Casa Civil já instaurou investigação por abuso de poder acerca do ocorrido.

Uma das pessoas impedidas de entrar foi Erica Galindo, assessora da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). “Os seguranças simplesmente alegaram que não seria permitido entrar com camisetas em defesa de Lula, sob a alegação de que estávamos fazendo apologia política por denunciarmos a condição de preso político de Lula”, disse. “Trata-se de um ato antidemocrático, gravíssimo, promovido por um governo ilegítimo”, completou Érica.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.