GLEISI: “LULA PODE E VAI SER CANDIDATO”

0

Ao lembrar os 30 dias de prisão política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta segunda-feira (7), a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), reafirmou que o PT lançará o ex-presidente como candidato do partido nas eleições presidenciais de 2018 e que é mentira que Lula não possa se candidatar. A parlamentar reforçou que a Constituição prevê a suspensão dos direitos políticos de qualquer pessoa somente após o trânsito em julgado da decisão penal condenatória, o que não seria o caso do ex-presidente Lula.

Gleisi também ressaltou que a Lei da Ficha Limpa não impede que o ex-presidente participe do processo eleitoral, ainda que sub judice, enquanto houver possibilidade de recursos plausíveis para instâncias superiores.

“As pessoas estão tentando dizer que Lula não pode ser candidato. É mentira! Lula pode ser candidato, porque a Constituição diz que os direitos políticos de uma pessoa só são suspensos se ela for condenada na última instância do Judiciário, que é o Supremo Tribunal Federal. Então, o PT pode registrar o Lula como candidato. Mesmo que ele esteja preso? Sim, é um direito constitucional”, explicou.

Ao lembrar o legado do presidente Lula e o que ele representa para o Brasil, Gleisi reafirmou que o partido será intransigente na sua defesa porque ela simboliza as conquistas do povo brasileiro. “Não é a luta de uma pessoa apenas. Nós sabemos que Lula na Presidência deste País é quem pode consertar os rumos desta Nação, quem pode pacificar o Brasil, porque já conhece o País, já fez, já pacificou, já entregou um legado ao povo brasileiro”, acrescentou.

Para a senadora, o real motivo para a condenação de Lula é afastá-lo do processo eleitoral de 2018 já que o ex-presidente é o favorito no pleito e tem o dobro das intenções de voto nas pesquisas eleitorais que qualquer outro candidato. “Por mais que a grande mídia, aquela que ajudou na operação do golpe, queira colocá-lo na invisibilidade, queira naturalizar a prisão dele, não consegue, porque Lula continua presente na vida nacional. É impossível um líder do tamanho de Lula, que não cabe naquela prisão, ser esquecido pela população do Brasil e pelo povo brasileiro”.

A congressista cobrou do Judiciário as provas que serviram de base para a condenação do ex-presidente no processo do triplex no Guarujá (SP). “Pergunto aqui para o juiz Sérgio Moro e para o TRF4: cadê a prova para condenar Lula? Só existem provas da sua inocência. Aliás, só foram oferecidas provas que dão conta da sua inocência, portanto ele deveria ser absolvido, porque o objeto do crime, que seria o recebimento de um apartamento, não foi comprovado. O Presidente Lula não tem a posse, não tem a propriedade, nunca usufruiu daquele apartamento”, disse.

O parlamentar criticou o andamento do processo, questionado por juristas renomados do Brasil e do mundo. “Ele foi condenado num processo sem crime tipificado; num processo de muita pressa, que foi contrário a todos os outros tempos de processos já julgados por um juiz singular em Curitiba, da Vara Federal, assim como pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região”, acrescentou.

Pesquisa Datafolha, divulgada no mês passado, apontou que, mesmo preso, Lula apareceu com 31% dos votos, seguido pelo presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, co 15%. Na sequência aparecem a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 10%, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa (PSB), com 8%, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), com 6%, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), com 5%, Alvaro Dias (Podemos-PR), com 3%, Manuela D’Ávila, do PCdoB (2%), Fernando Collor (PTC), com 1%, Henrique Meirelles (MDB), com 1%, Rodrigo Maia (DEM), com 1%, e Flávio Rocha, com 1% (PRB).

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.