PGR reforça pedido para que STF confirme a rescisão de acordo de colaboração de Wesley Batista; SAIBA!

0

Em documento encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (18), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, reiterou o pedido para que seja homologada a rescisão dos acordos de colaboração premiada firmados pela Procuradoria-geral da República (PGR) com o empresário Wesley Batista e Francisco de Assis e Silva, sócio-proprietário e executivo do grupo J&F.

A PGR rescindiu os acordos em fevereiro, mas a rescisão definitiva depende de homologação do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo.

Segundo a PGR, Wesley Batista e Francisco de Assis descumpriram termos do acordo de colaboração e “omitiram, de forma intencional, fatos criminosos dos quais eles já tinham conhecimento” quando fecharam o acordo com o Ministério Público Federal.

Continua depois da Publicidade

O advogado de Wesley, Eugênio Pacelli, disse que o pedido da PGR “não surpreendeu”. Segundo o advogado, a PGR “continua sem convicção nenhuma sobre a existência de ilícito penal nos fatos que narra”. A defesa de Francisco de Assis e Silva disse que ele não vai se manifestar sobre o pedido da PGR.

Em setembro do ano passado, a PGR também rescindiu os acordos de delação premiada de Joesley Batista, irmão de Wesley e um dos donos do grupo J&F, e de Ricardo Saud, um dos executivos do grupo.

Validade das provas
As provas colhidas, no entanto, são válidas, de acordo com a PGR, e demonstram o conhecimento dos delatores da suposta atuação ilícita do ex-procurador da República Marcello Miller. Segundo a PGR, o ex-procurador prestou “relevante assessoria ao grupo J&F para auxiliá-lo na concretização dos acordos de leniência e de colaboração premiada”.

No documento enviado ao Supremo, Raquel Dodge apresenta diversos trechos que identificam o auxílio do então procurador Marcelo Miller na condução da colaboração premiada e do acordo de leniência firmados com executivos da J&F. Miller, em sua defesa, afirma que nunca fez “jogo duplo” ou “agiu contra a lei”.

Portal Click Política com conteúdo do G1.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.