Tijolaço: “CPI do Parente” pode ser nova enxaqueca para Temer

0

Por Fernando Brito, do Tijolaço – A senadora Vanessa Grazziotin, do PCdoB do Amazonas, e Lídice da Mata, do PSB baiano, protocolaram um pedido de abertura de uma CPI sobre a política de preços da Petrobras, com a adesão de 27 outros senadores.

Já está sendo chamada de “CPI do Parente”, em referência ao tucano colocado por Temer para destruir a empresa.

Se o presidente do Senado, Eunício Oliveira, estiver, como sugere, incomodado com o desgaste que que os senadores estão sofrendo para votarem, com o pé no pescoço, propostas apara empurrar para a frente o problema, pode ser uma tremenda enxaqueca para o que resta do Governo Temer.

Continua depois da Publicidade

Pedro Parente tem tudo para se tornar o candidato da boneco de Judas dos sábados de Aleluia.

Não haverá senador que não queira “tirar um sarro” de suas explicações sobre “alavancagem” e “desmobilização de ativos”, enquanto o país arde com a crise do diesel e a sua inevitável irmã, a da gasolina, que retomou hoje sua trajetória de alta com mais um aumento (0,78%), que deverá ser seguido de outros, uma vez que o petróleo, que tinha dado um “refresco” de alguns dias, voltou a subir nos mercados internacionais.

A quatro meses e pico das eleições, quem vai correr o risco de sugerir que os preços dos combustíveis sejam os estratosféricos que o “mercado” quer?

Do seu passado de ministro do Apagão do governo FHC aos botijões de gás caros e em falta, tudo será prazeirosamente arremessado na cabeça de Parente, devidamente retratado nos vídeos da TV Senado que circularão nas redes sociais.

Michel Temer, talvez, até fique contente, porque hoje teve de mandar desmentir uma menção que fez a revisar a política do “imexível” Parente, depois que a Globo, pela boca de Míriam Leitão, disse que o presidente não pode mandar na Petrobras.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.