Temer se agarra ao poder para não ser preso

0

POR RIBAMAR FONSECA

Após o caos em que Pedro Parente mergulhou o país, ao provocar a greve dos caminhoneiros com os aumentos abusivos dos combustíveis, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sumiu. Certamente para não ter que responder a perguntas indiscretas, como responsável pela indicação de Parente para a presidência da Petrobrás, o guru dos tucanos preferiu fingir-se de morto até passar o mau tempo, que prenuncia tempestades próximas. Cresce a pressão, até entre aliados, para que Michel Temer renuncíe. Para muita gente, depois que perdeu autoridade para conduzir o país mesmo sem legitimidade, a renúncia de Temer é a melhor solução para permitir a antecipação das eleições presidenciais e, consequentemente, para tirar a Nação do buraco em que foi lançada pelo governo golpista. Estranha-se, porém, que o ex-presidente FHC, que chegou a sugerir grandeza a Dilma para renunciar, não tenha feito até agora a mesma sugestão a Temer, provavelmente porque sabe que se o presidente golpista sair o PSDB, que só conseguiu uma fatia do poder mediante o golpe, também sairá.

Diante do panorama criado pelo movimento dos caminhoneiros, que expôs a fragilidade do governo, tudo leva a crer que Temer não conseguirá chegar até o final do mandato que usurpou da presidenta Dilma Roussef, com ou sem renúncia. Se a terceira denúncia contra ele surgir agora, com base nas acusações sobre as propinas do porto de Santos, ninguém mais conseguirá segurá-lo no Palácio do Planalto. A esta altura ele já deve ter concluído que foi um mau negócio ter derrubado Dilma para assumir o seu lugar, mas teme deixar o cargo e ficar sujeito à prisão. Diante dessa perspectiva, portanto, se conseguir um acordo sobretudo com a Justiça para não ser preso, a possibilidade de renúncia ficará mais próxima. Como, porém, as forças responsáveis pelo golpe de 2016 não admitem a volta da esquerda ao poder, especialmente de Lula que seria eleito já no primeiro turno, nos bastidores da Justiça já está sendo tramada a supressão das eleições diretas de outubro com a mudança de regime: a ministra Carmem Lúcia, presidenta da Suprema Corte, já pautou para o próximo dia 20 o julgamento de uma velha consulta, de mais de 20 anos, sobre a adoção do Parlamentarismo sem plebiscito.

Continua depois da Publicidade

A manobra é escandalosa. A ministra, que tem marcado sua presença na presidência do Supremo Tribunal Federal por manobras para alcançar objetivos políticos – um exemplo foi a questão da prisão em segundo turno para garantir a prisão de Lula – obviamente não desencavou essa ação de 1997 por acaso: a iniciativa certamente foi muito bem pensada para impedir qualquer possibilidade do ex-presidente ou de qualquer outro candidato da esquerda chegar ao Planalto. Se a eleição for indireta ainda nesta legislatura, com esse mesmo Congresso corrupto que aprovou o impeachment de Dilma, estará assegurada a manutenção dessa cambada que tomou conta do poder. E tudo continuará como dantes. A não ser que a população, através das entidades de classe, decida sair da apatia e parar o país até que as instituições, especialmente o Judiciário, se conscientizem de que, conforme reza a Constituição, o poder emana do povo. O Brasil, afinal, não pode mais continuar à mercê de onze ministros que, já faz algum tempo, passaram a ditar as regras, ignorando a Carta Magna e atropelando o Legislativo.

Em recente pronunciamento a ministra Carmem Lúcia defendeu a democracia e destacou o papel da Justiça na garantia dos direitos do cidadão, mas a realidade não casa com o seu discurso. O Judiciário, na verdade, tem dado maus exemplos de injustiça e de desobediência à Constituição em todos os níveis. Todo mundo sabe, por exemplo, que numa democracia a greve é o instrumento legal de que dispõem os trabalhadores para defender seus direitos, mas aqui a própria Justiça do Trabalho entende o contrário e condena os movimentos, tornando-os ilegais. Foi o que acabou de acontecer com a greve dos petroleiros, declarada ilegal pelo Tribunal Superior do Trabalho que, inclusive, estabeleceu uma multa absurda caso o movimento não fosse abortado. Antes, o ministro Alexandre de Moraes, nomeado por Temer, já havia fixado outra multa milionária para acabar com a greve dos caminhoneiros, que recebeu o apoio da população por conta das suas reivindicações justas. A principal reivindicação dos caminhoneiros e petroleiros, no entanto, não foi atendida até agora pelo governo Temer: a demissão do tucano Pedro Parente da presidência da Petrobrás.

Temer, que é o grande responsável pelo caos que se instalou no país, conseguiu desagradar até os seus aliados, estando por um fio. Ele e seus cúmplices continuam agarrados ao poder porque temem a prisão, conscientes de que só ainda estão livres pela proteção do foro privilegiado. E dos tucanos que integram o Supremo Tribunal Federal, mas ninguém sabe até quando terão essa proteção, porque a população não está mais indiferente à ação seletiva da Justiça e já começa a pressiona-la. Apesar do esforço da mídia golpista em esconder ou minimizar o comportamento político da Suprema Corte, que mantém preso o ex-presidente Lula e liberta tucanos acusados de manipular milhões de dólares em propina, como Paulo Preto, o povo já percebe claramente a parcialidade de juízes. Por conta disso, recente pesquisa mostra que mais de 50% da população não confia mais na Justiça que, até pouco tempo, era uma das instituições de maior confiança e credibilidade. Até quando vai perdurar essa situação ninguém sabe, mas um dia tudo muda, porque não há mal que sempre dure. Quem viver, verá.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.