INTELECTUAL TUCANO FRUSTRA PSDB: Eleição está entre esquerda e Bolsonaro

0

O economista Luiz Carlos Mendonça de Barros é um dos principais quadros intelectuais do PSDB. Foi presidente do BNDES e ministro das Comunicações no governo FHC, foi banqueiro e é colunista de meios de comunicação vinculados ao “mercado”. Em entrevista ao Valor Econômico ele se confessa descrente com a viabilidade eleitoral de Geraldo Alckmin e prevê o segundo da disputa presidencial turno entre um candidato de esquerda e Bolsonaro. Para Mendonça de Barros, Alckmin tem “muito poucas chances. Ele tem uma boa equipe, mas não consegue falar com a população.”

Ele critica fortemente a gestão da economia pelo governo Temer, especialmente pela equipe do Banco Central e considera que a política de Pedro Parente à frente da Petrobras foi “irresponsável”. Ele chegou a sonhar com um crescimento da economia entre 3% a 3,5% em 2018; agora, acreditar que ficará entre 1,5% e 2%. Para ele, o governo Temer está no chão e acabou “pela segunda vez”: “O governo Temer terminou uma segunda vez. Ele havia terminado na denúncia da JBS [em maio de 2017] e terminou agora, porque foi um bate-cabeça terrível. É evidente que você vai normalizar toda a questão, mas o governo se enfraqueceu demais e, ao enfraquecer o governo Temer, enfraqueceu todo o discurso da centro-direita”. Na contramão da defesa do financismo que tem marcado o PSDB, Mendonça de Barros criticou acidamente os bancos privados e a concentração bancária no páís. Diante da afirmação do repórter Sergio Lamucci de que os juros estariam “baixos”, ele redarguiu: “Estão baixos para quem?”. E completou: “Os spreads estão muito altos e não tem volume de crédito, não expande. Isso mostrou outro erro estrutural que nós fizemos, que foi essa concentração bancária”.

Para Mendonça de Barros, o Banco Central (BC) “não entendeu a natureza da recessão” enfrentada pelo Brasil – “uma bolha de consumo, esticada ao máximo, que estourou” -, optando por uma estratégia de redução muito lenta dos juros. A contração do crédito pelos bancos públicos, num momento em que os bancos privados não expandiam o volume de empréstimos, também afetou a retomada cíclica da economia, segundo Mendonça de Barros.

Continua depois da Publicidade

Ao comentar a greve dos caminhoneiros, ele diz que o impacto mais grave foi aumentar a desconfiança, “num momento em que o governo representa um tipo de gestão econômica que é correta e fundamental para nós”. Para ele, a crise enfraqueceu muito a administração do presidente Michel Temer. “E, ao enfraquecer o governo Temer, enfraqueceu todo o discurso da centro-direita”, afirma Mendonça de Barros.

Na visão do economista, um candidato de esquerda tem 60% de chances de vencer as eleições. A tendência, segundo ele, é o candidato de esquerda disputar o segundo turno com o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ), que Mendonça de Barros classifica “como um demagogo, um populista”. A combinação entre o pensamento de Bolsonaro e de seu guru econômico, o liberal Paulo Guedes, não dará certo, acredita o economista. “Ele vai mandar o Paulo Guedes embora logo depois”, diz Mendonça de Barros, hoje presidente do conselho da Foton Brasil, que fabrica caminhões.

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.