Bancos jogam a toalha: candidatos do golpe fora do 2º turno

0

Os bancos, grandes patrocinadores da derrubada de Dilma Roussef em 2016, começam a jogar a toalha em relação às eleições e admitem que nenhum candidato que seja identificado com o golpe deverá estar no segundo turno. Foi o que fez o estrategista do UBS Wealth Management, Ronaldo Patah. O UBS, da Suíça, é uma das principais empresas globais de gestão de fortunas e tem entre seus clientes grandes empresas e famílias de milionários no Brasil e no mundo. Para ele, os eleitores “avaliam que a economia está pior agora do que era antes do impeachment de Dilma Rousseff”. Por conta desta avaliação, o UBS fala em “incerteza econômica elevada” e aconselha seus clientes a congelarem o Brasil em seus investimentos.

Patah usou a linguagem elíptica típica do mercado para admitir que o golpe é rejeitado amplamente pela população brasileira e indicou que, para os bancos, a greve dos caminhoneiros de maio, arruinou o sonho de eleger um candidato golpista. Para o conselheiro de milionários, a palavra “golpista” é traduzida por “reformista”: “As chances de um candidato reformista chegar ao segundo turno da eleição presidencial são agora menores do que eram antes da greve”. Alckmin, Meirelles, Marina Silva, Rodrigo Maia, Álvaro Dias e outros, identificados com o golpe, estão em palpos de aranha, segundo Patah.

O alto executivo do UBS concedeu entrevista à colunista do Valor EconômicoAngela Bittencourt. Segundo a jornalista, a instituição suíça decidiu congelar o Brasil nas recomendações a seus clientes: “Ao partir do princípio de que a incerteza econômica permanecerá elevada no Brasil, Patah defende que a melhor estratégia de investimento, por enquanto, é manter os portfólios bem diversificados, evitando uma forte concentração em qualquer classe de ativos e permanecer paciente até que uma oportunidade mais clara apareça”.

Continua depois da Publicidade

Patah explicita a percepção distinta dos milionários e dos bancos em relação à do povo: “Até arriscamos dizer que os eleitores brasileiros provavelmente avaliam que a economia está pior agora do que era antes do impeachment de Dilma Rousseff em 2016, embora essa percepção nos pareça equivocada”.

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.