Eleição de 2018 será a mais difícil da história, afirma presidente do Ibope

0

Reportagem de Bernardo Mello Franco no Globo informa que até quem vive de fazer previsões anda perdido com a corrida presidencial. “Será a eleição mais difícil da história do Brasil”, afirma o presidente do Ibope, Carlos Augusto Montenegro. No instituto desde 1971, ele se diz impressionado com o desinteresse pelo voto. “A população está enojada com a política. Nunca vi o eleitor tão frio e desmotivado”. O Ibope começou a sondar os eleitores há um ano e dois meses. Segundo Montenegro, o quadro permaneceu imóvel “como água parada”. “Ninguém sobe nem desce, porque os candidatos não emocionam”, avalia. “Pode ser que 70 milhões de brasileiros não votem para presidente. A população está decretando por conta própria o fim do voto obrigatório”.

De acordo com o jornal, apesar da indefinição, Montenegro arrisca alguns palpites. Ele aposta que o atual líder da disputa, Jair Bolsonaro, não se elegerá presidente. “Ele perde para qualquer um no segundo turno”, sentencia. “O voto do Bolsonaro não é ideológico de direita. É como o voto nulo, no Enéas ou no Tiririca”. O mago das pesquisas duvida que Marina Silva chegue ao segundo turno. “O que ela tem hoje é recall das últimas eleições. Quando o horário eleitoral começar, isso se esfacela. Ela vai sumir”, afirma, referindo-se aos 8 segundos da Rede na TV. Ele diz que Ciro Gomes corre o mesmo risco, caso não consiga fechar alianças. “Mas o maior adversário do Ciro é ele mesmo”, ironiza, referindo-se à língua solta do pedetista.

Para o presidente do Ibope, o desempenho de Geraldo Alckmin ainda é um enigma. “Há um cansaço brutal com o PSDB. O caso do Aécio Neves foi quase um tiro de misericórdia”, afirma. “O Alckmin tem currículo. A dúvida é saber o que vai prevalecer: o desgaste da velha política ou o que ele fez em São Paulo”. Montenegro aposta que o PT lançará Jaques Wagner, e não Fernando Haddad, mas duvida do potencial de transferência de votos do ex-presidente Lula. Em 2010, ele também declarou que o petista não elegeria um poste. Quebrou a cara com a vitória de Dilma Rousseff. “O PT pegou no meu pé, e com razão”, reconhece, oito anos depois. “Mas o Lula preso é diferente do Lula daquela época”, observa, de acordo com o jornal O Globo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.