Partido defende “ato monstruoso” para garantir candidatura de Lula; SAIBA!

0

O presidente do Partido da Causa Operária (PCO) Rui Costa Pimenta concedeu entrevista, nesta semana, explicitando que a unidade da esquerda tem que passar pela defesa de Lula ser candidato, além de convocar para o ato do dia 15 de agosto, momento que a candidatura do ex-presidente será registrada do TSE. “Temos que fazer um ato monstro em Brasília e colocar o bafo do povo no judiciário”, conclama.

O presidente do PCO não vê surpresa na aliança de Geraldo Alckmin (PSDB) com os partidos que compõe o centrão. “Com isso, Ciro Gomes cai num papel secundário, atrapalhando Lula e o PT”, observa.

Em um quadro que Lula esteja fora das eleições, Pimenta considera que, tanto Alckmin quanto Bolsonaro podem despontar no páreo. “O tucano não necessariamente precisa roubar votos de Bolsonaro para crescer, tem pesquisas que apontam Alckimin com 31% dos votos, ele tem todo o aparato político, financeiro e midiático nas mãos”, analisa Pimenta.

Lula

Ele acredita que, caso Lula seja proibido de candidatar-se, sua transferência de votos para um candidato indicado pelo PT não será tão fácil. “O candidato de Lula não é o Lula, por isso o voto tende a se dispersar, falta ao PT uma força organizada para conseguir transferir votos”, projeta Pimenta.

Indagado sobre uma frente ampla envolvendo partidos de esquerda, o presidente do PCO afirma que, quanto mais gente apoiando a candidatura de Lula, melhor. “A unidade só existe se for em torno de Lula, não há outra possibilidade na esquerda”, afirma.

No último fim de semana, a direção nacional do PCdoB deliberou uma proposta de junção entre as chapas de esquerda, já no primeiro turno. “A proposta de unidade do PCdoB é um tapa buraco. Eles querem apoiar Ciro, mas não possuem consenso dentro do próprio partido para fecharem uma chapa”, esclarece Pimenta.

15 de agosto- mobilização mundial em defesa de Lula

No próximo dia 15 de agosto, o PT registrará a candidatura de Lula no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Neste contexto, o presidente do PCO salienta a importância de uma grande mobilização nacional em defesa do ex-presidente. “É necessário fazer um ato monstro em Brasília, no mínimo, umas cinquenta mil pessoas”, projeta.

“Tal mobilização deveria estender-se a nível mundial, ocorrendo manifestações nos diversos países que possuem sindicatos e comitês que lutam pela liberdade de Lula”, conclui Rui Costa Pimenta.

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.