PSDB COMANDA A PGR? Investigação de Dodge sobre funcionária fantasma de Serra ignorou pontos fundamentais

0

Reportagem de Guilherme Amado na Coluna de Lauro Jardim do Globo informa que a PGR se baseou em cinco e-mails curtos — somados, não dão uma página de texto — enviados durante 10 meses por Margrit Dutra a José Serra ou a pessoas ligadas ao senador como prova para afirmar que ela não era funcionária fantasma do gabinete de Serra. Dodge pediu o arquivamento da investigação.

De acordo com a publicação, para tentar provar que trabalhava, Margrit enviou 11 e-mails com material que encaminhou para Serra e para funcionários dele. Entretanto, apenas cinco foram enviados antes de O Globo publicar, em 18 de fevereiro de 2016, que Margrit registrava o ponto e ia embora, sem trabalhar. Nenhum dos e-mails trata, por exemplo, do trecho de um projeto de lei que Serra e Margrit dizem que ela escreveu. Outra falha da investigação é não perceber que as regras de presença de servidores no Senado, enviadas pelo gabinete de Serra, são de 2017, portanto de um ano após se saber que ela era fantasma.

Ao depor por escrito, José Serra, bem como a funcionária do gabinete que testemunhou nos autos, alteraram a versão dita ao Globo na ocasião, sobre onde Margrit trabalharia. Em fevereiro de 2016, Serra disse que Margrit trabalhava em casa — prática vedada pelo Senado. No depoimento, Serra disse que ela trabalhava na bilbioteca e em outras dependências do Senado. A propósito, a prova dos nove não foi requerida por Raquel Dodge: pedir as imagens das câmeras de segurança. O hábito de Margrit era registrar o ponto na Chapelaria e, de lá mesmo, ir embora, complementa o jornal O Globo.

Continua depois da Publicidade

Para quem não lembra, Margrit Dutra é irmã de de Mirian Dutra, que foi amante de FHC.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.