PRISÃO POLÍTICA: Nobel da Paz terá encontro com Cármen Lúcia para exigir “Lula Livre”

0

O argentino ativista dos direitos humanos e ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1980, Adolfo Pérez Esquivel, irá ao STF na tarde desta terça-feira (14) para um encontro com a presidente da Corte, Cármen Lúcia. Ele irá exigir a libertação imediata de Lula. “Vamos conversar com os ministros do STF para ver se mudamos a situação, devido à demanda pela libertação de Lula”, afirmou Esquivel, lembrando que até a Organização das Nações Unidas (ONU) reconhece “que Lula é um preso político”.

Após participar da Marcha Nacional Lula Livre nesta segunda-feira (13), Pérez Esquivel visitou os sete grevistas de fome pela retomada do crescimento e dos direitos sociais e pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Centro Cultural de Brasília (CCB). Ele esteve com Rafaela Alves, Vilmar Pacífico, Jaime Amorim, Zonália Santos, Frei Sérgio Görgen e Luiz Gonzaga (Gegê).

Segundo ele, a visita aos militantes que estão em greve de fome há 14 dias, foi um ato de solidariedade à decisão que os sete grevistas tomaram ao se privarem de alimentação em nome da justiça e da libertação de Lula. “Vim aqui simplesmente para lhes dar um abraço e para que saibam que não estão sozinhos nessa luta”, afirmou. “Quando me dizem que um militante está amargurado, digo que não é um militante, mas um amargurado. Então, não se pode perder o espírito de luta. Há que resistir, e resistir com base na esperança. Vamos seguir caminhando com vocês”, assegurou.

Num papo descontraído com os grevistas, Esquivel destacou que a trajetória política de Lula, que ajudou a tirar da miséria milhões de brasileiros, o levou a indicar o ex-presidente brasileiro ao Prêmio Nobel da Paz. “Eu lhe dizia que tirar 30 milhões de brasileiros e brasileiras da pobreza em seu governo foi algo extraordinário. Por isso o indiquei ao Prêmio Nobel da Paz. E temos também o apoio da Nobel da Paz, Rigoberta Menchú, da Guatemala”, contou Esquivel.

O argentino informou que agora em setembro será apresentado formalmente a candidatura de Lula ao prêmio. “E lançamos a campanha, que conta com mais de 300 mil assinaturas de apoio à indicação do ex-presidente ao Nobel da Paz. E não só Lula merece, mas também todo povo brasileiro, os sem terra”, reconheceu.

O ex-presidente Lula foi condenado sem provas no processo do triplex em Guarujá (SP), com uma sentença questionada por vários juristas. Em janeiro, por exemplo, juristas divulgaram uma carta em cinco idiomas denunciando um Estado de Exceção no Brasil. “A deformação de um conjunto de processos contra a corrupção sistêmica no país é a consequência do ‘aparelhamento’ das medidas anticorrupção para fins de instrumentalização política por setores da direita e da extrema direita do Ministério Público, que hoje se arvoram purificadores da moral pública nacional”, diz o documento.

Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, em setembro de 2016, o ex-presidente receberia um apartamento reformado pela empreiteira OAS como espécie de propina no valor de R$ 3,7 milhões. Mas o próprio MPF admitiu que não havia “prova cabal” de que Lula seria o proprietário do triplex. Outro detalhe é que, também naquele mês, a Justiça do Distrito Federal determinou a penhora dos bens da construtora, dentre eles justamento do imóvel que a Operação Lava Jato atribuía ao ex-presidente

*Com informações do PT na Câmara

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.