Dilma caiu porque vetou aumento abusivo de 78% para judiciário em 2015

0

Um dos motivos da participação do judiciário no golpe foi o veto da presidenta eleita Dilma Rousseff, em 2015, do aumento abusivo que chegaria até a 78,6%, em pleno período de recessão.

No ano seguinte, ‘com Supremo e tudo’, Dilma foi apeada do poder por um bando sabidamente não republicano.

Em maio de 2016, quando aqueles áudios da lava jato vazaram, Dilma reclamava ao então presidente do Senado, Renan Calheiros, da impossibilidade de conversar com o STF porque os ministros só pensavam em aumentar salários.

Na crise do impeachment, Renan explica o motivo de os ministros não negociar com Dilma:

‘Não negociam porque todos estão putos com ela. Ela me disse e é verdade mesmo, nessa crise toda –estavam dizendo que ela estava abatida, ela não está abatida, ela tem uma bravura pessoal que é uma coisa inacreditável, ela está gripada, muito gripada– aí ela disse: ‘Renan, eu recebi aqui o Lewandowski, querendo conversar um pouco sobre uma saída para o Brasil, sobre as dificuldades, sobre a necessidade de conter o Supremo como guardião da Constituição. O Lewandowski só veio falar de aumento, isso é uma coisa inacreditável’.

Relembrando isto, o motivo da participação do judiciário no golpe, dificilmente Congresso Nacional ou o Palácio do Planalto terão colhões para barrar o aumento de 16,8% para os ministros do Supremo e conter seu efeito cascata em outras áreas do serviço público.

CLICK POLÍTICA com informações de esmael moraes

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.