GOLPE NÃO TEM HONRA: REAÇÃO DO GOVERNO TEMER À ONU É TÍPICA DE DITADURAS

0

ALEX SOLNIK

Quando eu soube que o comitê de direitos humanos da ONU requereu que o governo brasileiro desse todas as garantias para Lula exercer seus direitos políticos, mesmo estando preso, logo imaginei qual seria a reação de um governo totalitário a uma decisão desse tipo. Um ditador, como o turco Erdogan, por exemplo, diria: não se metam onde não foram chamados. Pois não demorou muito para o ministro da Justiça, Torquato Jardim, responder exatamente com as mesmas palavras: isso é intromissão indevida.

O comitê tomou a iniciativa dado o fato de o Brasil estar desrespeitando o artigo 25 do Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos que o então presidente Sarney assinou, em 1985. Ao fazer pouco da manifestação do comitê – “não tem valor jurídico” – o ministro disse, e não podia senão falar em nome do governo que o Brasil está pouco se lixando para o Pacto. Está pouco se lixando para os Direitos Humanos. O Brasil entrou no Pacto quando acabou a ditadura. Será considerado uma democracia pelos outros países democráticos depois de sair dele pela porta dos fundos?

Não haverá represálias por parte da ONU. Não serão enviadas tropas para invadir o Brasil. O país, no entanto, entra a partir de hoje no clube das republiquetas que não respeitam os direitos políticos de seus cidadãos, característica fundamental dos regimes de força. Uma republiqueta de quinta categoria.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.