PESQUISADOR AMERICANO CONFIRMA: EUA apoiaram o golpe contra Dilma no Brasil

0

Em entrevista concedida ao jornalista Brian Mier, o economista norte-americano, colunista e co-diretor do Centro para Pesquisas Econômicas e de Políticas Públicas em Washington, Mark Weisbrot, diz que a “maré cor-de-rosa” vivenciada pela América Latina com a chegada da esquerda ao poder em diversos países da região resultou em avanços significativos à população, inclusive com a redução da pobreza, que caiu de 44% para 28% entre 2003 e 2013, por exemplo. Segundo ele, o fim da “maré cor-de-rosa” veio por meio da adoção de algumas políticas macroeconômicas errôneas e também pelo apoio dos Estados Unidos a diversos golpes em toda a América latina, incluindo o ocorrido no Brasil, que resultou no afastamento da presidente eleita Dilma Rousseff em 2016.

“No Brasil, os Estados Unidos desempenharam um papel mostrando sua aprovação ao impeachment de Dilma. Acho que isso foi importante, pois falou para as pessoas no Brasil, especialmente às pessoas que organizaram o golpe, que elas tinham o apoio do Estados Unidos”, diz Weisbrot na entrevista. “Isso foi mostrado no nível mais importante no dia seguinte ao impeachment, enquanto o chefe do Comitê de Relações Exteriores do Senado, que era líder do movimento do impeachment no Senado (senador e atual chanceler Aloysio Nunes (PSDB)) veio para os Estados Unidos e falou com Tom Shannon, que naquele momento era o terceiro mais importante membro do Departamento de Estado dos Estados Unidos”, destaca. Eles se encontraram e ele mostrou aprovação ao golpe naquele momento”, completou Weisbrot.

Ele também ressalta que em agosto, o então secretário de Estado dos EUA, John Kerry, veio ao Brasil onde, ao lado de José Serra, que ocupava interinamente o cargo de ministro das Relações Exteriores, uma vez que Dilma ainda não tinha sido oficialmente deposta do cargo em função da votação do Senado ainda não ter acontecido, afirmou como as “relações seriam ótimas para o Brasil dali para a frente”. “Isso também deixou claro para qualquer senador que tivesse dúvidas que os Estados Unidos iram apoiar fortemente a remoção da Dilma” emendou.

Weisbrot também destaca que o Departamento de Justiça norte-americano participou ativamente ” de toda a investigação da Lava jato e de outras investigações sobre corrupção e a gente nem sabe o quanto eles fizeram ou o quanto se envolveram na armação do juiz Sergio Moro na prisão injusta de Lula.

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.