GOLPE NÃO TEM HONRA! Dória trai Alckmin com Bolsonaro e ambos se enterram em São Paulo

0

Por Fernando Brito, do Tijolaço – O site de O Globo abre manchete para as mensagens vazadas num grupo de mensagens, privado, que reúne a alta cúpula da campanha de Geraldo Alckmin, onde se trata abertamente das articulações entre as campanhas de João Dória e Jair Bolsonaro, atirando ao mar o candidato tucano à Presidência da República.

Não é surpresa, claro. Depois de flertar com Michel Temer para fazer um acordo com o PMDB, era previsível que a víbora trazida pelos tucanos ao seu ninho fosse deslizar para o lado do candidato fascista.

Ao GLOBO, Goldman não poupou críticas ao ex-prefeito a quem acusa de ser “irmão siamês” de Bolsonaro.
Temos ouvido sim conversas de que ele tem feito movimentos em direção ao apoio de outro candidato. Doria não tem nada a ver com o partido. Seus interesses são pessoais, de vaidade política, dos seus negócios, de seu enriquecimento pessoal. Sua postura ideológica, seu tipo de pensamento, o tipo de mensagem, é a mesma do Bolsonaro, não me surpreende.

Que João Dória é tudo isso e ainda pior, desculpe o traquejado Alberto Goldman, todo mundo sabia.

Mas Geraldo Alckmin não pode reclamar disso, pois foi o promotor da entrada deste aventureiro no partido quando já se sabia de tudo isso.

Fizeram pela mesma razão que outros tucanos, como Fernando Henrique – o homem do ‘é verdade este bilete” – tentaram fazer com Luciano Huck: arranjar um candidato ‘novo’, que pudesse lhes garantir uma vitória fácil manejando a ‘antipolítica’.

Quem age querendo ser “esperto” não pode reclamar que surja um “mais esperto ainda” que se sirva disso para trair o ex-padrinho.

Alckmin, inapelavelmente derrotado, ao menos pode torcer por uma vitória provável: a derrota de João Dória na disputa pelo Governo do Estado.

Resta saber se, com o seu traíra se lambuzando no segundo turno no apoio a Bolsonaro, vai ter como evitar o apoio a Haddad.

E Doria, por sua vez, vai cavar uma vaga de dirigente no PCB – Partido do ‘Coiso’ Bolsonaro.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.