CAIU A MÁSCARA: Mourão enterra Bolsonaro ao defender fim do 13º

0

POR ALEX SOLNIK

Em campanha no Sul do país, Mourão defendeu o fim do 13º. salário – “é uma jabuticaba” – e o pagamento de adicional de férias em palestra a empresários: “o Brasil é o único lugar do mundo onde a pessoa entra em férias e ganha mais”. Bolsonaro desautorizou logo em seguida e os compromissos de seu vice foram suspensos. Ou seja, ele foi colocado na geladeira, como já tinha acontecido com Paulo Guedes quando anunciou a volta da CPMF.

Com mais essa declaração escravocrata ele pode ter enterrado de vez essa candidatura que contamina o país com cenas de ódio e violência e dissemina propostas que apontam para o aumento da pobreza, do desemprego e dos conflitos sociais.

Continua depois da Publicidade

Mas não adianta colocar Mourão na geladeira. Ele não vai deixar de pensar o que pensa. E tudo o que pensa ofende a democracia, a inteligência, o bom senso e a paz social.

Também não adianta Bolsonaro desautorizar Mourão, porque no fundo ele também pensa isso, mas não quer dizer agora para não atrapalhar sua campanha. Afinal, ele é político profissional há 30 anos e Mourão não é.

Além disso, se a chapa se eleger – Deus livre o Brasil disso – e por algum eventual acontecimento Mourão tiver que assumir o seu lugar, quem o impedirá de colocar em prática o que vem pregando?

Ao votar em Bolsonaro, o eleitor também elege Mourão e todas as ideias do Mourão.

E o vice, como se sabe, não pode mais ser trocado e não é passível de demissão depois de assumir.

À medida em que as trabalhadoras e os trabalhadores do Brasil ficarem informados de que Bolsonaro pretende acabar com suas férias e com seu 13º., suas intenções de voto deverão murchar até o dia da eleição.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.