Pedro Cardoso declara voto em Haddad no segundo turno; VÍDEO!

0

Visualizar esta foto no Instagram.

O facismo de direita – que em nossa história é mais presente e mais letal do que qualquer sonho de autoritarismo de esquerda – já está entre nós; basta ver os congressistas eleitos. Facismo é intolerância total com a diferença; e determinação de eliminá-la completamente. Os 2 messiânicos que partiram a placa com o nome de Marielle são hoje nossos empregados, um estadual e o outro federal. Temos facista dentro de casa; da casa que compartilhamos juridicamente com todos nós, o Brasil. Se o facista mor vier a se sentar no trono do executivo será por muitas razões. Não sei todas mas arrisco algumas: 1) Eles mesmos. O facismo é sua própria razão de ser. Nasce nas profundezas da psicologia humana e emerge do esquecimento quando encontra condições históricas convidativas: frustração social e o medo que ela gera. Variam as circunstâncias mas, na essência, é sempre o mesmo: afirmação de uma super virilidade que imporá uma ordem redentora. Mas isso é o modo de se disfarçar de algo útil que o facismo assume para seduzir os seus seguidores. Por trás, ele é desejo de poder de uma elite dirigente que governará em seu próprio interesse financeiro. É o mesmo sempre, faça-se pela direita ou pela esquerda; no nosso caso aqui, é de direita. 2) Contribuirá também a nossa letargia em reagir a ele. Por confiança na democracia, aceitamos muito tempo ver o facismo se propor como solução milagrosa e dissemos pouco e timidamente. Nosso silêncio foi um erro. Erro nosso que se fez porque demoramos também a reconhecer os nossos próprios erros: os erros da idolatria ao PT. Por isso eu grito contra Haddad visitar Luís! Mas voto nele apesar de tudo. Evitar o fim da política, que Messias significa, é o único modo de termos como transformar a política verdadeiramente. Jair é Fake.

Uma publicação compartilhada por Pedro Cardoso (@pedrocardosoeumesmo) em

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.