Advogados de Haddad cobram busca e apreensão de documentos na sede da Havan

0

A campanha de Fernando Haddad (PT), representado pelo escritório Aragão e Ferraro, entrou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com pedido de ação de investigação eleitoral por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação. A solicitação que tem como réus o candidato à presidente Jair Bolsonaro (PSL), seu vice, Hamilton Mourão (PRTB), o dono das Lojas Havan, Luciano Hang, além das empresas que fornecem o serviço de mídias sociais ou foram listadas como responsáveis pelo esquema de divulgação de propagando mentirosa no Whatsapp. A ação foi solicitada após revelação de que a candidatura de Bolsonaro estaria se beneficiando com o uso de Caixa 2 eleitoral, quando empresas estariam financiando o pagamento das mensagens, o que é vedado pela lei.

Na ação, os advogados pedem a quebra de sigilo bancário, telefônico e telemático do dono da Havan, da Quick Mobile, Yacows Desenvolvimento de Software, Croc Services, SMSMarket. Além disso, é solicitado “que seja decretada a busca e apreensão de documentos na sede de empresa Havan e na residência Luciano Hang que possuam relação com empresas de comunicação digital, principalmente daquelas elencadas acima, e com a campanha de Jair Messias Bolsonaro”, de acordo com artigo 100, da Resolução nº 23.553/17, do Tribunal Superior Eleitoral.

Com relação ao Whatsapp, a defesa de Haddad solicita que a empresa apresente “plano de contingência capaz de suspender o ato que dá causa a presente ação, qual seja, ao disparo em massa de mensagens ofensivas ao candidato a Presidência da República Fernando Haddad e aos partidos que integram a Coligação “O Povo Feliz de Novo”, sob pena de suspensão de todos os serviços do aplicativo de mensagens Whatsapp até cumprimento da determinação”.

(…)

CLICK POLÍTICA com informações de Porem.net

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.