Colunista do UOL “estranha” comportamento do Jornal Nacional sobre escândalo que envolve Bolsonaro

0

Por Mauricio Stycer do UOL

Destacada na capa da Folha nesta quinta-feira (18), a notícia de que empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp foi o assunto do dia no Brasil. A reportagem de Patrícia Campos Mello afirma que empresas apoiando o candidato Jair Bolsonaro (PSL) estão comprando um serviço de divulgação em massa de mensagens contra o rival na disputa eleitoral. A prática, uma forma de doação de empresas, configura violação da lei eleitoral.

Pela gravidade da denúncia, a reportagem da Folha teve enorme repercussão no meio político e na mídia. Fernando Haddad falou do assunto em diferentes eventos que participou e o PT entrou com uma ação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pedindo a inelegibilidade de Bolsonaro por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

Bolsonaro e o PSL responderam negando as acusações e anunciando a intenção de processar Haddad. Um dos empresários citados pelo jornal também reagiu, dizendo que pretende processar a Folha. Jornais de diferentes países repercutiram a “reportagem bombástica” da Folha.

Por tudo isso, chamou a atenção a timidez das principais emissoras de TV no Brasil diante do caso. A Globo, em particular, evitou repercutir a notícia da Folha diretamente. O “Jornal Nacional” optou por falar do caso de forma indireta, citando a decisão do PT de pedir a inelegibilidade de Bolsonaro “por suposto esquema de divulgação de notícias contra o PT nas mídias sociais”, como disse William Bonner.

O repórter Alan Severiano tratou do assunto por 60 segundos durante o noticiário sobre a agenda de Haddad. Ele repetiu a frase lida por Bonner e reproduziu trechos da fala de Haddad com acusações à campanha do adversário. Ao final, Bonner e Renata Vasconcellos leram, por 45 segundos, a resposta do presidente do PSL, Gustavo Bebiano, que nega as acusações e diz que vai processar o candidato do PT.

O “Jornal da Record”, igualmente, reproduzindo Haddad, falou do “suposto uso indevido” do WhatsApp e ouviu Bolsonaro, que afirmou não ter conhecimento de nenhuma ilegalidade. Na sequência, o telejornal lembrou que “o PT é suspeito de desrespeitar a legislação eleitoral” num caso que envolve o pagamento por publicações favoráveis ao partido no Twitter.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.