Prefeitos do PSDB rompem com Doria e deixam partido em São Paulo

0

A adesão de prefeitos do PSDB no estado de São Paulo à candidatura de Márcio França (PSB) ao governo, e não a João Doria (PSDB), expôs novo racha no partido, esta semana, com saídas de quadros por vontade própria ou por decisão do partido, além de ameaça de expulsão impostas pelo diretório estadual. A eleição deste ano coloca na berlinda um domínio tucano de 24 anos no território paulista.

Nessa quinta (18), o prefeito de Pirassununga, Ademir Lindo, recebeu França, declarou apoio a ele e reforçou críticas a Doria que já têm sido feitas por outras lideranças tucanas dissidentes da campanha do ex-prefeito. “Pelos ataques que fizeram aos meus amigos, como o Geraldo Alckmin, o ex-governador Alberto Goldman e o José Serra. Não aceito isso em política – cuspir no prato que comeu”, criticou em entrevista coletiva.

No mesmo dia, o presidente do diretório estadual, Pedro Tobias, encaminhou ofício a Lindo o comunicando de sua expulsão. “Mandei aviso informando que ele está expulso – por decisão minha, sumária. É muito grave o que aconteceu”, declarou Tobias.

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), puxara a fila da debandada tucana, na semana passada, ao anunciar, com críticas a Doria, o apoio a França. Segundo Tobias, Barbosa recebeu ofício cobrando explicações pelo que considerou traição ao partido, e, dependendo da justificativa, poderá ter o mesmo destino do prefeito de Pirassununga.

“Demos um prazo para ele responder alguns pré-requisitos, mas tudo indica que ele será poderá, sim, ser expulso”, enfatizou o presidente estadual do PSDB. “Mas o nosso foco agora está mesmo é na eleição”, concluiu.

Candidatos do interior declaram voto em França

Nessa quinta, a campanha de França divulgou texto em que afirma ter recebido apoio de outros prefeitos tucanos que estão “engrossando uma lista que não para de crescer”. Além dos mandatários de Santos e Pirassununga, são citados os prefeitos de Lorena (Fábio Marcondes) e Queluz (Laurindo Garcez).

No caso do prefeito de Lorena, o apoio a França foi explicitado nas redes sociais do político também com o anúncio de sua desfiliação do PSDB. Marcondes se refere indiretamente a Doria como alguém que “não representa os ideais do PSDB, e sim, um projeto pessoal com o qual não me identifico”.

CLICK POLÍTICA com informações de UOL

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.