Haddad: Facada impulsionou Bolsonaro; CONFIRA!

0

O atentado sofrido pelo candidato do PSL a presidente, Jair Bolsonaro, e a campanha do PSDB contra o deputado federal e a candidatura do PT teriam sido pontos que permitiram o cenário atual na disputa pelo Planalto. A avaliação é do presidenciável do PT, Fernando Haddad, que disputa o segundo turno contra Bolsonaro.

Haddad lamentou, mais uma vez, o ocorrido com o adversário em Juiz de Fora (MG) em 6 de setembro, mas analisou o efeito que isso teve na corrida. “Mas o fato é que ele subiu dez pontos no nosso tracking. Isso é fato”, disse em sabatina promovida, nesta terça-feira (23), pelos jornais “O Globo”, “Extra”, “Valor Econômico” e pela revista “Época”.

Na época do ataque, o petista lembra que o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, aparecia com tendência de alta. “O Alckmin vinha, na minha opinião, com a estratégia correta de ir para o segundo turno com o PT, era a melhor chance de ele ganhar a eleição. O Bolsonaro começava a cair, ele [Alckmin] começava a subir. E aquele evento deu dez pontos de frente para ele [Bolsonaro]”.

Outro fator que colaborou com Bolsonaro foi a estratégia do PSDB de fazer um ataque duplo: ao PT e ao candidato do PSL. “Quando você bate no PT e no Bolsonaro, você leva água para o moinho do Bolsonaro”, avalia Haddad. “Todos os analistas dele disseram isso para ele. Mas foi uma política deliberada do PSDB, que já estava, uma partezinha, indo ali para o colinho do Bolsonaro.”

O petista aproveitou para cutucar mais uma vez o rival histórico do partido, dizendo achar “lamentável que parte do PSDB tenha aderido à negação do que representa o próprio PSDB”. Os tucanos optaram por não apoiar nenhum dos candidatos no segundo turno.

O presidenciável do PT diz que sua campanha nunca teve “expectativas” de o PSDB declarar apoio a ele, e uma das razões seria o candidato ao governo de São Paulo, João Doria, que o sucedeu na Prefeitura de São Paulo. O tucano é um crítico contumaz de Haddad e do PT. “O Doria jamais deixaria que as lideranças do PSDB prestassem solidariedade ou manifestassem apoio à minha candidatura”.

O futuro do PSDB é algo que preocupa Haddad –que acha ser talvez “o petista mais bem relacionado com o PSDB– caso Bolsonaro ganhe a eleição. “Eles têm uma raiz social democrata que, na minha opinião, deveria ser valorizada, sobretudo nesse momento de extremismo por parte do meu adversário”, disse. “Não sei qual vai ser o futuro do PSDB na eventualidade de o Bolsonaro ganhar a eleição”. Para ele, o PSDB tem quadros importantes “que podem sucumbir à essa onda de extrema-direita que o país está vivendo”.

CLICK POLÍTICA com informações de Uol

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.