SAI GIGANTE DA DISPUTA: Haddad tem aval de Lula para liderar oposição ao governo Bolsonaro; CONFIRA!

0

Fernando Haddad sai da disputa eleitoral como liderança nacional de primeira linha e tem aval do ex-presidente Lula para ser um dos principais representantes do PT na política nacional. Lula quer ver Haddad integrado ao círculo de líderes nacionais do partido, ao lado de Gleisi Hoffmann, Sérgio Gabrielli e Jaques Wagner.

Em reportagem, as jornalistas Catia Seabra e Maria Dias, da Folha de S.Paulo, destacam a narrativa que vai se desenhando dentro do PT: “apesar de derrotado nas eleições presidenciais deste domingo (28), Fernando Haddad tem o aval do ex-presidente Lula para decidir que tarefa vai assumir à frente do PT durante o governo de Jair Bolsonaro (PSL). Em conversas com aliados que o visitaram em Curitiba na semana passada, Lula recomendou que Haddad seja consultado sobre suas expectativas e como pretende desempenhar o papel de líder da oposição daqui para frente. Embora a campanha petista tenha sido errática em diversos momentos e demorado para detectar e reagir à onda pró-Bolsonaro, a avaliação no partido é que Haddad foi alçado à condição de liderança nacional”.

A leitura do partido é que o “modo Haddad” de se colocar diante do eleitor foi eficiente, apesar de a vitória não ter acontecido: “com um discurso que tentou extrapolar o PT e vencer o sentimento antipetista, o ex-prefeito de São Paulo carregou a militância e atores de fora do espectro do partido em torno de um discurso único, pela defesa da democracia”.

Já está marcada uma reunião da executiva ampliada para a próxima terça-feira (30), em São Paulo, onde se discutirá o futuro partidário. Emidio de Souza, que coordenou a campanha de Haddad ao lado de Gabrielli, irá a Curitiba ouvir as recomendações de Lula.

Auxiliares de Haddad informam que a ideia inicial do ex-prefeito é insistir na formação de uma frente democrática que se contraponha a Bolsonaro, sem necessariamente ocupar um cargo formal no comando do PT.

A percepção é a de que o volume de apoios na reta final da campanha, como o apoio de Joaquim Barbosa e Rodrigo Janot, abrem um precedente inédito para o partido e acenam para uma ova perspectiva de concertação política diante de um país arrasado economicamente, saturado de tanta polarização e violência eleitoral por parte da candidatura ultraconservadora.

CLICK POLÍTICA com informações de Revista Forum

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.