Bolsonaro elogia “jornalismo isento da Record” e frustra pretensões da Globo

0

Blog do Mauricio Stycer:

No primeiro dia após a eleição, o presidente eleito Jair Bolsonaro se submeteu a uma maratona de entrevistas. Num intervalo de menos duas horas, apareceu nas cinco principais emissoras de TV aberta do país. No total, falou por cerca de 90 minutos em conversas ao vivo com a Record (33 minutos), SBT (8) e Globo (12), e gravadas com Band (28) e RedeTV! (7).

A Record não foi apenas a que teve direito a mais tempo. Teve o privilégio de ser a primeira a falar com Bolsonaro e foi a única a receber elogios do presidente eleito. “Parabéns pela votação e obrigado por me receber mais uma vez. Boa noite, presidente”, disse o repórter Eduardo Ribeiro. “Boa noite. Eu que agradeço o jornalismo isento da Record”, respondeu.

Foi na entrevista com a Record que Bolsonaro falou abertamente da intenção de “privatizar ou extinguir” a TV Brasil, “uma TV que tem traço de audiência”. Falou também do custo anual de cerca de R$ 1 bilhão do canal público, que pertence à EBC (Empresa Brasil de Comunicação), criado em 2007. Durante a campanha eleitoral, Geraldo Alckmin (PSDB) havia mencionado intenção semelhante, falando em eliminar a “TV do Lula”.

Já a entrevista à Globo teve como um de seus assuntos principais a “Folha”. Por dois minutos, Bolsonaro e William Bonner falaram sobre o jornal. O apresentador do JN quis saber: “O senhor vai continuar defendendo a liberdade da imprensa e a liberdade do cidadão de escolher o que ele quiser ler, ver ou ouvir?”. O presidente eleito disse: “Sou totalmente favorável à liberdade de imprensa. Temos a questão da propaganda oficial do governo, que é outra coisa”.

Disse, então, que precisava fazer justiça a uma funcionária do seu gabinete apontada pela Folha como funcionária fantasma em uma reportagem. “Não quero que ela [a Folha de S. Paulo] acabe, mas no que depender de mim, na propaganda oficial do governo, imprensa que se comportar dessa maneira, mentindo descaradamente, não terá apoio do governo federal”, disse.

Bonner insistiu: “Então, o senhor não quer que este jornal acabe? O senhor está deixando isso claro agora.” A questão deu oportunidade para um novo ataque de Bolsonaro: “Por si só, este jornal se acabou”. E acusou a “Folha” de ter divulgado “fake news” contra ele durante a campanha eleitoral.

De improviso, Bonner disse que, apesar de críticas que considera injustas feitas pelo jornal ao JN, respeita a “Folha. “Para ser justo do lado de cá, eu preciso dizer que o jornal sempre nos abriu a possibilidade de apresentar a nossa discordância, os nossos argumentos, aquilo que nós entendíamos ser a verdade”, disse o entrevistador. “A Folha é um jornal sério, é um jornal que cumpre um papel importantíssimo na democracia brasileira. É um papel que a imprensa profissional brasileira desempenha e a Folha faz parte desse grupo”.

A “Folha” respondeu às críticas e acusações de Bolsonaro, mostrou que o presidente eleito se enganou em relação à reportagem sobre a sua funcionaria e registrou que os comentários feitos no JN intensificaram um movimento espontâneo nas redes sociais para que as pessoas assinem o jornal. Veja aqui.

“Ou tem censura ou não tem”

Na entrevista à Band, Bolsonaro minimizou a censura à imprensa ocorrida durante a ditadura militar (1964-85). “Uma das características da ditadura é uma imprensa única. A própria TV Globo nasceu em 1965. A revista Veja nasceu em 1968. Pega as matérias censuradas e mostra aqui agora. O pessoal vai rir”, disse.

E prosseguiu: “Por que tinha censura muitas vezes? De acordo com o articulista, a palavra-chave que estava naquela matéria era para executar um assalto a banco ou até mesmo executar uma autoridade em cativeiro. Essa foi a censura. Então, ou tem censura ou não tem. Pegou-se algumas matérias pontuais levando-se em conta o autor da matéria. Eu gostaria que não tivesse ocorrido isso”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.