Bolsonaro transforma a transição de governo em reality show

0

Blog do Sakamotto:

Jair Bolsonaro voltou atrás na intenção de extinguir o Ministério do Trabalho e incorporar suas funções ”a algum ministério”, conforme havia declarado no dia 7. Nesta terça (13), o presidente eleito informou que a área seguirá com status ministerial, sendo unida a outra – ainda não informada.

Por conta do anúncio do fim do ministério, ele foi criticado por associações que congregam juízes e procuradores, sindicatos e organizações da sociedade civil por conta de possíveis impactos negativos na política de geração de empregos e na fiscalização das condições de trabalho – ainda mais em um período de grave crise econômica. Também houve protesto de servidores da pasta e questionamentos por parte de empregadores.

Esse foi o segundo recuo do dia. Em outro, Bolsonaro afirmou que a área de ensino superior não será transferida para o Ministério da Ciência e Tecnologia, permanecendo na pasta de Educação, também após duras críticas sobre o impacto que isso traria ao orçamento das universidades federais.

Gostaria de reproduzir o que já disse aqui sobre isso. As idas e vindas, tentativas e erros, desde o final da eleição, mostram que Jair Bolsonaro não está apenas escolhendo seu ministério e preparando a transição, mas decidindo, neste momento, qual o programa de seu governo.

O processo tem toques de reality show. Após anúncios de fusões ministeriais ou nomes de ministros por membros de sua equipe ou apoiadores, a reação do publico é medida e, dependendo de sua origem e intensidade, outras declarações são dadas para correções de rumo. A justificativa é de que nada estava decidido ainda ou que o anúncio anterior era ansiedade da imprensa ou fake news. Cada etapa, quando concluída, é anunciada pela conta do presidente eleito no Twitter ou por declarações suas via live do Facebook ou em entrevistas à mídia.

Nesse processo, ele também aparece, periodicamente, para botar ordem na casa, publicando desmentidos ou dando puxões de orelha na equipe. O quanto disso é real, mostrando um alto nível de desorganização interna, e o quanto é pensado para confundir o público e reforçar a imagem de um Bolsonaro pulso firme e que traz serenidade ao caos, não se sabe.

O arquivo de PowerPoint de 81 páginas que apresentou, por obrigação, durante a campanha, apesar de trazer propostas que certamente serão colocadas em prática, é insuficiente para entender para onde Bolsonaro irá. As reuniões da equipe de transição, em Brasília, e em sua casa e nas de aliados, no Rio de Janeiro, é que estão montando, agora, o que será a sua gestão.

Alguns podem dizer que a montagem a céu aberto tanto da equipe quanto do programa de governo é transparência e que candidatos devem propor linhas gerais para serem votadas nas eleições e não propostas específicas. Conhecer a filosofia e a ideologia de um candidato é importante, mas saber o que ele propõe de concreto para os próximos quatro anos é fundamental para que a sociedade fiscalize e monitore seu mandato.

Em sua defesa, Bolsonaro pode alegar que não está fazendo nada contra o que prometeu. Até porque, não prometeu muita coisa detalhado, repetindo à exaustão que reduziria o Estado, armaria a população e baniria petistas.

E, como já disse aqui, esperemos ao menos que, nesse reality, a sociedade não seja obrigada a sair da casa caso proteste insatisfeita com o resultado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.