DISCUSSÃO: Juíza fica com raiva após Lula chamar Moro de “amigo de Youssef”; CONFIRA!

0

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) acusou o juiz Sergio Moro de ser amigo do doleiro Alberto Youssef durante interrogatório, nesta quarta-feira (14), no processo da Operação Lava Jato sobre reformas feitas por empreiteiras em um sítio de Atibaia (SP) usado pelo petista. A declaração motivou uma repreensão da juíza Gabriela Hardt, que conduziu a audiência.

Lula fez a acusação quando respondia uma pergunta feita por seu advogado, Cristiano Zanin Martins, sobre como eram feitas as indicações para a diretoria da Petrobras. Neste processo, entre outras acusações, o MPF (Ministério Público Federal) afirma que o ex-presidente comandou um esquema criminoso na estatal, envolvendo a nomeação de diretores que teriam aceitado propinas de empreiteiras em troca de benefícios em contratos.

O ex-presidente começou respondendo que a nomeação levava em conta uma análise da idoneidade dos indicados feita pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional), órgão vinculado à Presidência da República. No fim da declaração, o petista faz a afirmação vinculando Moro a Youssef.

“Eu não sei por que cargas d’água, no caso Petrobras, houve essa questão de jogar suspeita sobre indicações de pessoas. É triste, mas é assim. Possivelmente, por conta de que o delator principal é o [Alberto] Youssef, que era amigo do Moro desde o caso do Banestado (Banco do Estado do Paraná). É isso, lamentavelmente é isso”, disse

Youssef foi um dos primeiros delatores da Lava Jato, em 2014, e teve seu acordo homologado por Moro. O juiz também homologou, uma década antes, o acordo de delação de Youssef por sua colaboração com as investigações do escândalo do Banestado. Este primeiro acordo chegou a ser invalidado pelo próprio Moro depois da prisão de Youssef na Lava Jato, pois o magistrado entendeu que o doleiro tinha quebrado o pacto ao voltar a cometer crimes.

Assim que Lula associou Moro a Youssef, a juíza Gabriela Hardt — que substitui o juiz desde que ele aceitou o convite para ser ministro da Justiça no governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL) — repreendeu o ex-presidente por meio de seu advogado.

“Doutor, por favor. Ele não vai fazer acusações sobre meu colega aqui”, disse ela.

Lula respondeu que não estava fazendo acusações, mas “constatando um fato”.

“Não é um fato, porque o Moro não é amigo do Youssef e nunca foi”, rebateu a juíza.

“Mas manteve ele [Youssef] sob vigilância 8 anos”, prosseguiu Lula.

“Ele não ficou sob vigilância 8 anos, e é melhor o senhor parar com isso”, afirmou Hardt, encerrando a discussão.

CLICK POLÍTICA com informações de UOL

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.