Novo Chanceler defenderá interesses dos EUA, não do Brasil, denuncia PT

0

Repudiada por toda a mídia brasileira, incluindo veículos como a Rede Globo, a indicação de Ernesto Araújo para dirigir o Itamaraty continua repercutindo negativamente. Em nota publicada nesta quinta-feira (15), o Partido dos Trabalhadores afirma que “vê com apreensão” o convite, destacando a relativa inexperiência do futuro chanceler e seu alinhamento ideológico com Donald Trump: “Bolsonaro, em vez de colocar o Brasil ‘acima de tudo’, coloca o America First de Trump como sua principal diretriz em política externa”. Leia a nota abaixo:

O Partido dos Trabalhadores vê com apreensão o convite do presidente eleito Bolsonaro para que o Embaixador Ernesto Henrique Fraga Araújo venha a dirigir o Itamaraty.

Além de relativamente inexperiente, pois nunca foi designado Chefe de Missão Diplomática e sabatinado pelo Senado, o referido embaixador destaca-se por sua admiração incondicional a Donald Trump e por suas posições políticas extremamente conservadoras.

Com efeito, seu artigo “Trump e o Ocidente”, publicado no segundo semestre do ano passado, revela uma compreensão bastante estreita do mundo e um alinhamento acrítico às ideias do atual e polêmico presidente norte-americano, por ele comparado a uma espécie de salvador da civilização ocidental.

Observe-se, ademais, que o referido embaixador chegou a chamar o PT de “partido terrorista”, em seu blogue.

Ora, não nos parece conveniente que o Brasil, que se destaca por seu um global player e um país comprometido com o multilateralismo, tenha a sua política externa dirigida por um diplomata que revela ter forte tendência a um alinhamento automático e subordinado aos interesses geoestratégicos norte-americanos.

Tal alinhamento deverá comprometer seriamente a afirmação dos interesses brasileiros no exterior. Saliente-se que as declarações do presidente eleito sobre a transferência da embaixada do Brasil em Israel para Jerusalém, emulando Trump, e de membros de sua equipe contra o Mercosul já causaram graves prejuízos a muitos interesses nacionais. Hoje mesmo, o governo de Cuba cancelou a sua importantíssima participação no programa Mais Médicos, em função justamente de declarações ofensivas de Bolsonaro, motivadas por mera ideologia.

A política externa tem de defender interesses do longo prazo do país, e não interesses de curto prazo de governos específicos.

Nesse sentido, a nomeação do referido embaixador, se confirmada, configurará opção ideológica que apequenará ainda mais o Brasil no concerto das nações.

Com tal decisão, Bolsonaro, em vez de colocar o Brasil “acima de tudo”, coloca o America First de Trump como sua principal diretriz em política externa.

CLICK POLÍTICA com informações de brasil247

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.