DELAÇÃO SEM FUTURO: Sem provas, Palocci volta a acusar Lula para sair da cadeia; CONFIRA!

1

O ex-ministro Antonio Palocci, condenado a 12 anos de prisão no âmbito da Operação Lava Jato, voltou a acusar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua delação premiada visando obter a liberdade e deixar a prisão. Agora, Palocci acusa Lula de ter atuado para viabilizar o projeto de nacionalização da indústria naval brasileira visando arrecadar recursos para “quatro ou cinco” campanhas do PT, incluindo a primeira eleição da presidente deposta Dilma Rousseff, em 2010. Nesta quarta-feira (28). O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), deverá julgar um pedido sobre a revisão da pena de Palocci, que está preso há dois anos, para que ele cumpra o restante da pena no regime semiaberto.

De acordo com Palocci, Lula e Dilma teriam ordenado que cinco ex-dirigentes da Previ, Funcef e Petros – fundos de pensão do Banco do Brasil, Caixa e Petrobrás, respectivamente – capitalizassem o “projeto sondas”. A capitalização do projeto resultou na criação da Sete Brasil, em 2010, com o objetivo de viabilizar a produção e construção de navios-sonda para a Petrobrás explorar o petróleo do pré-sal. “Dentro desse investimento, tinha todo ilícito possível”, disse Palocci em seu depoimento à Polícia Federal.

Ainda segundo Palocci, que foi condenado a 12 anos de prisão, as “ordens de Lula” aos presidentes dos fundos de pensão indicados pelo PT eram cumpridas sem nenhum tipo de análise e que todos os envolvidos sabiam estar “descumprindo os critérios internos”, além de terem conhecimento de que também estavam “gerando propinas ao partido”.

Dentre os dirigentes dos fundos de pensão citados por Palocci estão Sérgio Rosa e Ricardo Flores (Previ), Guilherme Lacerda (Funcef) e Wagner Pinheiro e Luís Carlos Affonso (Petros). Affonso teve sua prisão decretada pela Justiça na última sexta-feira, no âmbito da 56ª fase da Operação Lava Jato, batizada de “Sem Fundos”, que investiga irregularidades na construção da sede da Petrobrás em Salvador (BA).

Ainda segundo o delator, os dirigentes dos fundos teriam demonstrado “preocupação” com a situação em diversas ocasiões, uma vez que não tinham tempo hábil para analisar a viabilidade dos projetos adequadamente. “O presidente reagia muito mal”, relatou. “Ele (Lula) falava ‘quem foi eleito fui eu, ou eles cumprem o que eu quero que façam ou eu troco os presidentes'”, afirmou.

O ex-presidente Lula e a presidente deposta Dilma Rousseff negam as acusações contidas na delação de Palocci e diem que ele mente para tentar conseguir um acordo que o permita sair da prisão. Palocci já deixou a carceragem da PF em Curitiba em 63 ocasiões, para depor visando fechar um acordo de delação premiada.

1 comentário
  1. ivone vebber Diz

    coitado….. sofre com inquisição

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.