Início Brasil ELES NÃO CONSEGUEM DERRUBÁ-LO: Mesmo preso, Lula é quem melhor se comunica no país

ELES NÃO CONSEGUEM DERRUBÁ-LO: Mesmo preso, Lula é quem melhor se comunica no país

por Portal Click Política

POR PABLO ARANTES

Em tempos de guerra híbrida, o discurso público é tomado por estratégias não convencionais de comunicação. Fala-se em “firehosing”, “fake news”, pós-verdade, em notícias que são soterradas por outras.

A relação entre sinal e ruído parece entrar em terreno negativo. Algum norte nesse cenário pode vir da leitura do livro do linguista e cientista cognitivo estadunidense George Lakoff chamado “Don’t think of an elephant: know your values and frame the debate”, que, em tradução livre, poderia ser “Não pense em um elefante: conheça seus valores e paute o debate”.

O livro foi originalmente publicado em 2004 e reeditado em 2014 para, nas palavras do autor, ser um guia para o cidadão ativista. Um bom exemplo de intelectual transformando seu trabalho em intervenção no debate público. E de alguém que se coloca claramente em um campo, o progressista. Não é um “isentão”.

A tese que Lakoff apresenta ao leitor articula-se em torno de dois pressupostos. O primeiro é que identidade política se faz em termos de valores morais – aquilo que consideramos certo ou errado é instrumental para definir nossas disposições.

O segundo é um pressuposto cognitivo com implicações linguísticas: as pessoas não lidam diretamente com o mundo, essa relação é intermediada por esquemas mentais que simplificam a complexidade do mundo.

Essa noção abstrata de um esquema mental que em alguma medida formata nossa relação com o mundo, enfatizando porções dele e tirando outras do nosso foco de atenção, ganha, na teoria formulada por Lakoff, o nome de “frame”. A literatura científica brasileira não traduz o termo, mas “quadro” ou “moldura” são traduções que capturam aspectos importantes do sentido do original.

Os frames são estruturas mentais, não têm existência concreta. Interagimos com eles a partir da maquinaria da linguagem. É nesse ponto que podemos retomar o elefante mencionado no título do livro. A ideia aqui é que se digo “Não pense em um elefante”, a presença dos sons que evocam o significado “elefante” ativa o frame a que “elefante” está associado (pensamos, por exemplo, em orelhas grandes, tromba, em presas de marfim, na paisagem em que um elefante vive e, eventualmente, até em um rato, a nêmesis do elefante).

Por mais que a ordem seja não pensar no elefante, o frame é ativado de forma não consciente antes que se possa suprimi-lo por um ato de vontade. Ativação, nesse sentido, não é metáfora, ela pode ser medida objetivamente por meio de experimentos psicolinguísticos. Há muita literatura que mostra que lidamos de forma diferente com palavras que ouvimos mais ou menos frequentemente.

O poder da linguagem de presentificar conceitos abstratos importa para a questão do debate político porque, nas palavras de Lakoff, “precisamos de linguagens novas para frames novos. Pensar diferente requer falar diferente”. O ponto do autor é que os progressistas precisam falar “progressivamente”, isto é, devem usar frames compatíveis com os valores que defendem para que esses valores sejam evocados e tornem-se moeda corrente no debate.

Desse ponto, o autor tira uma diretiva: não discuta com os “de lá” usando a linguagem deles. Dando novamente a palavra a Lakoff, “quando você discute com gente do outro lado usando a linguagem e os frames deles, você está ativando os frames deles, reforçando esses frames para quem está ouvindo a conversa e enfraquecendo seus próprios valores”.

Lakoff apresenta exemplos da armadilha de usar a linguagem “do lado de lá” ao discutir temas que dividem o mundo em dois. Alguns dos temas de que ele trata não são comuns no nosso contexto, mas adapto um exemplo.

Na fala dos conservadores brasileiros, a expressão “rombo da previdência” é onipresente. A agenda, sabemos, é clara – precarização e, havendo votos suficientes no congresso, privatização. A questão é que, do lado de cá, a defesa da seguridade social passa, entre outras estratégias, pela negação da existência de “rombo”.

Agora já sabemos o problema dessa estratégia. Ao dizer “não pense em rombo da previdência”, ativa-se no discurso, mesmo que pela negativa, o frame de um sistema falho, sem planejamento, afetado pela corrupção. “Rombos” são abertos e ninguém faz nada? Levar a sério a ideia segundo a qual a experiência é resultado de um enquadramento do “mundo real” gera um corolário: fatos fazem sentido dentro de narrativas.

Se o frame que domina o discurso é o do “rombo”, é inevitável que pensemos na imagem de um navio cujo casco tem “rombos”. Que estatísticas e considerações podem salvar o Titanic? Quem se disporia a defender uma instituição apresentada nesses termos?

A sugestão de Lakoff para sair da armadilha é mudar o frame, refazer a discussão de maneira a ativar os frames que engajam os progressistas; colocar a questão dos valores em primeiro plano e criar uma narrativa a partir deles.

Por conta da relação fundamental entre moral e política, o autor aponta uma tarefa importante para o campo progressista: saber quais são os valores fundamentais que movem as pessoas “do lado de cá”. Muitos desses valores não são crenças conscientes. É preciso torná-las conscientes e repeti-las até que entrem no debate público corriqueiro. A ideia é pensar e falar em termos de valores.

Os progressistas não são os únicos a caírem na armadilha de usar a linguagem do adversário. Quando o atual ocupante da cadeira de ministro da Educação disse que a “universidade não é para todos”, trouxe para o debate o frame da inclusão, que foi a grande bandeira das gestões de Lula, Dilma e Haddad na educação superior. Evocou para negar.

O episódio gerou desgaste. Mesmo entre os conservadores, quantos diriam que ter ampliado o acesso à universidade foi uma coisa fundamentalmente ruim? Opor-se à inclusão é ser flagrado defendendo aquilo que grande parte das pessoas, independente de simpatia política, classificaria como maldade.

Há ainda outras coisas a falar sobre o livro de Lakoff, principalmente a respeito das fontes dos valores morais que guiam progressistas e conservadores. Ficam para outro texto. Termino dizendo algo sobre o bem e o mal.

Não sei quanto Lakoff conhece da vida e dos personagens da política brasileira. Mas imagino que ele balançaria a cabeça em aprovação ao ler a declaração do ex-presidente Lula sobre o processo que culminou na sua ausência ao sepultamento do irmão: “não deixaram que me despedisse do Vavá por pura maldade”. Está aí alguém que se expressa através de valores, imagino que nosso autor diria. Daí seu perigo, digo eu.

Deixe seu Comentário

Você também pode gostar

Deixe o Comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência em anúncios, clique em aceitar para fechar esta janela. Aceitar