MACRI NO CHÃO! Argentinos tomam as ruas por por pão, teto e trabalho

1

Organizações sociais lideram uma mobilização maciça no marco de um dia de luta por “terra, teto e trabalho, contra a fome”. “É o pior ano desde a crise de 2001.” A ministra [Carolina] Stanley [de Desenvolvimento Social] disse ontem que a taxa de pobreza para o segundo semestre de 2018 “pode ser um pouco pior que a anterior”.

Após o anúncio do Governo de que neste ano haverá um forte aumento no índice de pobreza como resultado de políticas de ajuste nos setores mais desprotegidos da sociedade, organizações sociais realizam um dia de luta por “terra, teto e trabalho, contra a fome e as tarifas”.

Na cidade de Buenos Aires, o epicentro das mobilizações é o Ministério do Desenvolvimento Social, onde militantes de Barrios de Pie, Confederación de Trabajadores de la Economía Popular (CTEP), Corriente Clasista y Combativa (CCC) e Frente Darío Santillán (FDS) começaram a convergir. Também aderiram Federación Nacional Territorial (Fenat) de la CTA Autónoma Capital, e Frente de Organizaciones en Lucha (FOL).

Algumas das demandas são a criação de empregos formais, um aumento de 54% nos programas sociais, kits escolares, a concessão de obras públicas a cooperativas de trabalhadores e a sanção da Lei de Emergência dos Alimentos, uma promessa por muito tempo não cumprida pelo governo macrista.

1 comentário
  1. Dartanhan Diz

    Pois é, o povo Argentino caiu na lábia da ultra direita fascista acreditando na elite tal qual o Brasil agora está pagando caro e vai ficar mais problemática a situação.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.