JOSIAS DE SOUZA ABRE O JOGO: Bolsonaro fez de Bebianno o seu ‘boi de piranha’

Todo mundo já ouviu a expressão “boi de piranha”. Surgiu no meio rural a partir da necessidade de atravessar o gado em rio infestado de piranhas. Para assegurar a passagem da boiada, sacrifica-se um boi já meio combalido. Esse boi é jogado na água para saciar o apetite das piranhas. E o resto do rebanho passa em segurança. A prática é muito comum também na política. Acaba de ser adotada por Jair Bolsonaro. O presidente jogou o ministro palaciano Gustavo Bebianno no rio para ser comido, enquanto outros personagens encrencados escapam.

O governo Bolsonaro tem 22 ministros. Sete ostentam algum tipo de suspeição. Repetindo: a suspeição ronda um terço da equipe do presidente que se elegeu como paladino da ética. Há um ministro condenado por improbidade administrativa, um denunciado por fraude em licitação e tráfico de influência, um investigado por transações suspeitas com fundos de pensão, uma citada em delação da JBS e um beneficiário confesso de caixa dois. Agora, mais dois ministros encrencaram-se no escândalo dos candidatos laranjas do PSL, o partido de Bolsonaro.

- Publicidade -

Considerando-se a humilhação solitária imposta a Gustavo Bebianno, o capitão não parece muito preocupado com a integridade do seu rebanho ministerial. Se foi capaz de eleger Bebianno, ex-coordenador de sua campanha, como boi de piranha, o presidente não hesitará em jogar outros ministros no rio. Chega-se, então, ao ponto: Bebianno virou comida de piranha para que o próprio Bolsonaro escape. Dito de outro modo: o presidente tenta salvar a pose de herói da cruzada anticorrupção.

A estratégia apresenta dois problemas. O primeiro é que Bolsonaro precisaria varrer muita coisa para baixo do tapete para continuar desfilando sua moralidade presumida. Isso incluiria o sumiço do enrosco do filho-senador Flávio Bolsonaro com o Coaf, do cheque que caiu na conta da primeira-dama e do empréstimo mal explicado do próprio Bolsonaro ao correntista atípico Fabrício Queiroz. O segundo problema é que a tática de Bolsonaro parte do pressuposto de que o Brasil é uma nação de bobos.

Josias de Souza

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.