União Europeia faz apelo para evitar intervenção militar na Venezuela




Apelo é feito pouco antes do encontro do Grupo de Lima, em Bogotá (Colômbia), que discutirá os próximos passos para lidar com a crise política no país. Líder da oposição e autoproclamado, Juan Guaidó, é recebido pelo ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo Garcia, ao chegar a Bogotá, na Colômbia, no domingo (24)
Cortesia da Presidência colombiana / Reuters
A Comissão Europeia reiterou a defesa nesta segunda-feira (25) por uma saída “pacífica, política e democrática” para a crise na Venezuela. “Devemos evitar a intervenção militar”, disse a porta-voz Maja Kocijancic em uma entrevista coletiva.
O apelo é feito pouco antes do encontro do Grupo de Lima, em Bogotá (Colômbia), que discutirá os próximos passos para lidar com a crise política no país depois do fracasso da operação de entrega de ajuda humanitária os venezuelanos no fim de semana nas fronteiras com o Brasil e a Colômbia.
O encontro contará com a participação do líder da oposição e autoproclamado presidente, Juan Guaidó, e do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence. Guaidó já pediu que “todas as opções permaneçam abertas” contra o presidente Nicolás Maduro.
Um representante sênior do governo americano afirmou que Pence anunciará “ações claras” ao se dirigir ao grupo, segundo a agência Deutsche Welle.
O Grupo de Lima foi criado em 2017 por iniciativa do governo peruano com o objetivo de pressionar para o restabelecimento da democracia na Venezuela. Integram o grupo os chanceleres de: Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

For security, use of Google's reCAPTCHA service is required which is subject to the Google Privacy Policy and Terms of Use.

I agree to these terms.